Tempo
|
A+ / A-

Brasil

Lula acusa Bolsonaro de transformar pandemia numa "arma de destruição em massa"

08 set, 2020 - 08:27 • Redação com agências

O ex-presidente fez várias acusações a Bolsonaro, num vídeo partilhado nas suas redes sociais.

A+ / A-

O antigo presidente do Brasil acusa Jair Bolsonaro de transformar a pandemia da Covid-19 numa “arma de destruição em massa” e afirma que o país está a viver “um dos piores momentos da sua história”.

Num vídeo com cerca de 20 minutos, publicado nas redes sociais, Lula da Silva diz que teria sido possível evitar tantas mortes e critica a substituição da direção do Ministério da Saúde por militares sem experiência médica ou sanitária.

"Ficámos com um Governo para o qual a vida não tem valor e que trivializa a morte. Um Governo insensível, irresponsável e incompetente que não respeitou as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e está a transformar o coronavírus numa arma de destruição maciça", disse Lula, na segunda-feira, numa carta aberta aos brasileiros.

Também criticou o Governo por ter nomeado "soldados sem experiência médica ou de saúde" para chefiar o Ministério da Saúde, que foi entregue ao general Eduardo Pazuello após a demissão de dois ministros, no auge da pandemia do novo coronavírus no país.

"As eleições de 2018 mergulharam o Brasil num pesadelo que parece não ter fim. O país está a atravessar um dos piores períodos da sua história", disse Lula.

"Como nos filmes de terror, as oligarquias brasileiras deram à luz um monstro que já não podem controlar, mas que continuarão a apoiar enquanto os seus interesses forem servidos", disse.

"O povo não quer comprar revólver nem cartucho de carabina. O povo quer comprar comida”, apontou Lula, que também questionou o que entende ser uma posição de submissão de Bolsonaro face ao governo norte-americano, citando George Floyd ao defender a luta do “Black Lives Matter”.

"Não podemos admitir que a nossa juventude negra tenha as suas vidas marcadas por uma violência que beira genocídio. Não paro de me perguntar: 'quantos George Floyd nós tivemos no Brasil? Quantos brasileiros perderam as vidas por não serem brancos? Vidas negras importam, sim", disse.

O atual presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, tem repetidamente minimizado a pandemia, chamando-lhe uma "gripe menor" e apelando à retoma das atividades económicas, em vez da imposição de medidas de contenção, que descreveu como "pior do que a doença".

Apela a um "regresso ao normal" e continua a apertar a mão aos seus apoiantes, sem usar máscara, como fez na segunda-feira, numa cerimónia que assinalou o aniversário da independência do Brasil.

O momento em que Lula da Silva saiu da prisão
O momento em que Lula da Silva saiu da prisão

Lula, 74 anos, que conta com o apoio de uma parte da população, aguarda o resultado de um recurso contra a sua sentença de nove anos de prisão por corrupção, que cumpriu parcialmente entre abril de 2018 e novembro de 2019.

O Brasil é o terceiro país do mundo mais afetado pela pandemia, atrás dos Estados Unidos e da Índia, em número de casos (4,1 milhões de casos confirmados), mas o segundo em termos de mortes (quase 130.000 óbitos).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • sergio oliveira
    08 set, 2020 belem para brasil 14:22
    É incrível como um ladrão ,condenado em várias instancias e ainda com uma serie de processos a serem julgados, mas abarrotados de provas , consegue tanto espaço nestas mídias que cada vez mais conseguem ter menos credibilidade junto à opinião publica !

Destaques V+