Tempo
|
A+ / A-

seca

Falta de água preocupa o Algarve. Barlavento no nível vermelho

03 set, 2020 - 15:40 • Gastão Costa Nunes , Marta Grosso

“É preciso pensar que agricultura é que o Algarve pode ter”, avisa o presidente da Comunidade Intermunicipal da região. Autarca de Silves mostra-se preocupada.

A+ / A-

O nível baixo da água nas barragens algarvias está a preocupar autarcas e habitantes. O presidente da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve, António Miguel Pina, diz que a escassez água pode obrigar à seleção no abastecimento.

“Se não houver água, o esforço do investimento público que vamos ter é para garantir o abastecimento ao público, não fica garantido o que a agricultura consome”, afirma nesta quinta-feira. “Daí que seja preciso pensar que agricultura é que o Algarve pode ter”, sublinha.

De acordo com este responsável, “a agricultura representa 60%” do gasto de água. “O consumo 30% e o golfe 6%”, adianta à Renascença.

Nesta altura, o barlavento está já no nível vermelho, segundo os mais recentes dados revelados pelo Sistema Nacional de Recursos Hídricos.

Esta é a área geográfica onde, no final de agosto, havia menor disponibilidade de água: apenas 18,3%, quando a média ronda os 62,5%.

“Eficiência, novas captações de água e repensar que agricultura é que o Algarve pode ter, uma vez que não tem água”, são os três fatores a estudar, considera António Miguel Pina.

Silves é um dos concelhos com maior produção agrícola e a presidente da autarquia, Rosa Palma, mostra-se preocupada.

“Temos contacto direto com aquilo que é a falta de água”, afirma à Renascença. “Temos aqui um concelho que depende muito dessa água, temos uma grande produção agrícola e todas estas situações são bastante preocupantes”, admite.

A entidade que gere a distribuição é a Águas do Algarve que, contactada pela Renascença, escusou-se a dar mais esclarecimentos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+