Tempo
|
A+ / A-

Papa doa 100 mil euros à Igreja da Zâmbia para ajudar os mais necessitados

14 ago, 2020 - 11:56 • Olímpia Mairos

A nova ajuda entregue à Conferência dos bispos católicos da Zâmbia é dirigida principalmente às pessoas com deficiências nutricionais e falta de alimentos e será distribuída através das dioceses.

A+ / A-

O Papa Francisco doou 100 mil euros à Igreja da Zâmbia para ajudar as pessoas que sofrem de má nutrição e não têm alimentos suficientes.

A doação surge na sequência do pedido do bispo de Chipata e presidente da Conferência dos Bispos Católicos de Zâmbia (ZCCB), D. George Lungu que, através do núncio apostólico na Zâmbia e Malauí, apelou ao Santo Padre “para apoiar os mais necessitados”, na sequência da crise sanitária e económica causada pela pandemia da Covid-19 naquela nação “já atingida pela fome e pela pobreza”.

O anúncio da doação surge através do secretário-geral da ZCCB, padre Cleophas Lungu, na página do Facebook do episcopado.

"Dos muitos pedidos que o Papa Francisco recebeu, ele optou por responder a uma solicitação da Zâmbia. Este dinheiro será distribuído através das dioceses para alcançar os mais necessitados, especialmente aqueles que sofreram com as recentes secas e enchentes", escreveu o padre Lungu.

Já no final de julho, o Papa Francisco, através da nunciatura, tinha enviado três ventiladores, milhares de máscaras cirúrgicas e outros produtos de higiene para a ZCCB.

"Através da doação dos três ventiladores, vidas foram salvas", disse o secretário-geral do episcopado da Zâmbia, afirmando que "a dor e o sofrimento do povo zambiano foram aliviados por este gesto de solidariedade".

O sacerdote lembrou também as muitas mensagens de solidariedade que o Santo Padre tem enviado durante a pandemia da Covid-19 ao país e ao resto do mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.