Tempo
|
A+ / A-

Fátima. Bispo de Santarém apela à partilha

13 ago, 2020 - 12:30 • Teresa Paula Costa com Ecclesia

Na homilia da missa que encerrou a Peregrinação Nacional do Migrante e Refugiado, D. José Traquina sublinhou que a pandemia fez ressaltar o essencial da vida cristã: a alegria da fé e da vida.

A+ / A-

O presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, D. José Traquina, apelou esta quinta-feira, em Fátima, à partilha com os mais pobres.

O também bispo de Santarém partiu do relato do Evangelho, lido na Eucaristia, onde é descrito o episódio da festa de casamento em Caná da Galileia, na qual Jesus transformou a água em vinho para satisfazer a necessidade de festejar condignamente o casamento dos noivos.

D. José lembrou que, mais tarde, Jesus morreria na cruz por paixão à sua noiva - as pessoas. Por isso, “a sua noiva são hoje os atuais milhões de pobres em todo o mundo, os milhões de refugiados que têm de fugir como Jesus para terem vida, os migrantes que, por desconhecimento das formas legais de emigrar, são explorados por contrabandistas e traficantes, os milhões de pessoas deslocadas forçadamente dentro do seu próprio país, por falta de segurança".

"Todos estes”, acrescentou, “têm direito à festa nupcial".

D. José Traquina lembrou ainda que, perante uma multidão com fome, Jesus levou “os discípulos a assumirem como seu o problema da multidão” e ensinou-lhes “que a solução dos pobres com fome se resolve pela partilha".

Pandemia fez ressaltar o essencial da vida cristã

Nesta homilia, o bispo de Santarém lembrou também as limitações a que temos estado sujeitos em termos de convívios e festas, devido à pandemia, salientou que, contudo, “acentuou-se mais viva consciência de que grande parte das festas populares têm origem na Igreja e, por isso, nalgumas comunidades resolveram ir às origens e celebrar a festa, promovendo os sinais essenciais, como uma eucaristia bem preparada, a imagem do padroeiro evidenciada, uma mensagem e uma lembrança partilhada para registar a festa celebrada em tempos de pandemia".

"Com isto, frisou D. josé Traquina, “ressaltou o essencial: a alegria da fé e da vida".

As celebrações deste 13 de Agosto contaram com a presença de vários milhares de peregrinos de Portugal e oriundos de outros cantos do mundo, embora não em tão grande número como habitualmente acontece nesta Peregrinação Nacional do Migrante e Refugiado, devido às restrições impostas pela pandemia de Covid-19.

Um dos gestos tradicionais desta peregrinação é a oferta de trigo e farinha pelos peregrinos ao santuário de Fátima. No ano passado, foram oferecidos 8.060 quilos de trigo e 545 quilos de farinha que serviram para a confeção de hóstias. Em 2019, consumiram-se 15.500 hóstias e 1.089 mil partículas nas 6.821 missas celebradas no santuário de Fátima. As quantidades oferecidas nesta peregrinação só serão reveladas no próximo ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.