|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Bebé Matilde. Ministério Público investiga dinheiro doado para pagar medicamento

30 jul, 2020 - 10:00 • Liliana Monteiro com redação

Os pais receberam 2,5 milhões de euros em donativos para comprar o fármaco mais caro do mundo, mas que acabou por ser pago pelo Estado.

A+ / A-

Está sob investigação a gestão dos donativos feitos à família da bebé Matilde para comprar o Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo, no valor de dois milhões de euros.

Fonte da Procuradoria-Geral da República Lisboa confirma à Renascença que está a decorrer um inquérito do Ministério Público, mas está sujeito a “segredo de justiça”, não esclarecendo que crimes estão a ser investigados.

Os pais criaram em junho de 2019 uma página de Facebook denominada “Matilde, uma bebé especial” na qual constatava o número da conta solidária, aberta na Caixa Geral de Depósitos, em nome da criança. Foram arrecadados 2,5 milhões de euros, contudo, o Estado acabou por suportar o custo do Zolgensma.

Através das redes sociais, os pais disseram que a verba seria necessária para toda a vida da menor. “Esse valor pertence à Matilde. Será usado para todos os tratamentos, terapias e equipamentos que necessite.”

Além disso,a família garantiu que iria aproveitar o dinheiro da campanha solidária para ajudar outras crianças com problemas de saúde.

Matilde nasceu em 2019 e aos dois meses foi diagnosticada com atrofia muscular espinhal (AME) do tipo 1 - uma doença rara que afeta 110 pessoas em Portugal, 80 das quais são crianças. Apesar de afetar todos os músculos do corpo, a AME não diminui as capacidades cognitivas.

A página do Facebook continua ativa. Através dela, os pais vão dando informações sobre tratamentos e evoluções, colocando pequenos textos acompanhados de fotos e vídeos. “Tenho estado muito bem e cada vez mais ativa! Pego logo nos brinquedos, brinco com brinquedos diferentes ao mesmo tempo, faço festinhas nos papás e nos manos, quando não quero o brinquedo deixo cair. Já dou umas gargalhadas”, pode ler-se numa publicação de 29 de fevereiro.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    30 jul, 2020 Lisboa 17:50
    Sim, se as pessoas contribuíram para uma causa, mas acabou por ser o Governo a pagar, então temos o direito de saber para onde foi esse dinheiro, já para não dizer, que temos o direito à devolução. Bem vistas as coisas, se foi o governo que pagou, fê-lo com o dinheiro dos nossos impostos, o que significa que todos já contribuímos. Não foi dado dinheiro à Matilde nem aos pais. Foi dado para o remédio. Onde está esse dinheiro, ou melhor, para o quê ou para quem, está a ser guardado?