Tempo
|
A+ / A-

Novo Banco vendeu 13 mil imóveis a preço de saldo

28 jul, 2020 - 07:50 • Redação

As casas e os terrenos estavam avaliados em 635 milhões de euros, mas foram vendidos por 364 milhões.

A+ / A-

O Novo Banco vendeu 13 mil imóveis a preço de saldo a um fundo nas ilhas Caimão, a quem emprestou dinheiro.

De acordo com uma investigação do jornal “Público”, foi o maior negócio imobiliário em Portugal nos últimos anos.

As casas e os terrenos estavam avaliados em 635 milhões de euros, mas foram vendidos por 364 milhões.

Este negócio teve até direito a um nome de código, atribuído pelo Novo Banco: Portfólio Viriato.

Escreve o jornal, que nada disto é ilegal. As regras criadas para a resolução do BES — e a criação de um “banco bom”, suportada pelo Estado e pelo conjunto dos outros bancos, em teoria — exigem que o Novo Banco venda “activos problemáticos”, como o “excesso” de imobiliário, e permitem-lhe anular o risco dos compradores, atribuindo-lhes financiamento a crédito.

O negócio levantou dúvidas a Rui Rio, presidente do PSD, e já levou o primeiro-ministro a enviar uma carta ao Ministério Público onde pediu que intervenha para acautelar os interesses do Estado no Novo Banco.

“Uma pechincha”, criticou a deputada Helena Roseta, no seu último discurso no Parlamento, no dia 13 de março de 2019.

O jornal explica que a compra feita pelo fundo ao Novo Banco foi garantida por um empréstimo do próprio banco vendedor. Ou seja, se nenhuma casa do pacote Viriato for venida, o dono das hipotecas continua a ser o Novo Banco.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.