Tempo
|
A+ / A-

Presidente da ANACOM. País está mal servido de telecomunicações

27 jul, 2020 - 07:30 • Fátima Casanova

À Renascença, João Cadete de Matos reconhece que a pandemia pôs em evidência um país a duas velocidades, no acesso à rede móvel, à rede fixa e internet.

A+ / A-

O presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) revela que há zonas em que não é possível fazer uma chamada, nem aceder à internet. João Cadete de Matos reconhece ainda que há muitas queixas de autarcas, população e empresários.

O tempo de pandemia, com recurso ao teletrabalho e à telescola veio mostrar que o país não tem uma cobertura por igual, ao nível das telecomunicações. Isto é admitido à Renascença pelo presidente da Autoridade Nacional de Comunicações, segundo o qual “há de facto zonas onde não é possível estabelecer comunicações de voz e há ainda zonas significativas do país em que as comunicações através da internet não se fazem”.

Para João Cadete de Matos essas ligações “são muito importantes para o desenvolvimento económico, para a coesão do território, para que o país não tenha duas velocidades em termos de comunicações”. O responsável máximo da ANACOM reconhece que a pandemia “veio ainda tornar mais evidente e prioritário”, o desenvolvimento das telecomunicações em Portugal”.

Empresários queixam-se à ANACOM

Ao longo do tempo, a ANACOM tem recebido muitas queixas, nomeadamente das câmaras municipais, das juntas de freguesia, das populações e também de atividades económicas. Em declarações à Renascença diz existirem “empresários que apresentam queixas de que não conseguem desenvolver a sua atividade por falta de boas comunicações”. Explica que “isso é particularmente evidente nas zonas do interior do país, zonas com menos densidade populacional, que são aquelas onde os operadores de telecomunicações têm um retorno mais baixo do seu investimento”.

Porto de Mós e Ourém entre os piores concelhos

Nos últimos dias, técnicos da ANACOM percorreram o concelho de Ourém para fazer medições sobre a qualidade do serviço. As conclusões são apresentadas esta segunda-feira às autoridades locais e correspondem às denúncias feitas junto da Autoridade Nacional de Comunicações. Segundo João Cadete de Matos, “há, de facto, vários aglomerados populacionais no concelho de Ourém, onde a cobertura de rede móvel é deficitária. “Há sítios em que não é possível fazer ou atender chamadas de voz” reconhece este responsável, que também aponta “dificuldades de acesso à internet em vários pontos do concelho”.

Estas medições aconteceram depois dos técnicos já terem estado a percorrer o concelho de Porto de Mós, para fazerem idêntico trabalho e onde se concluiu que há “um défice muito significativo nas comunicações”. João Cadete de Matos destaca que estes nem são concelhos do interior onde a rede apresenta mais problemas.

Chegada do 5G é uma oportunidade

A ANACOM quer que os operadores levem as comunicações a todo o território e tem incentivos projetados para o próximo leilão de atribuição de frequências.

João Cadete de Matos pretende que grande parte do encaixe para o Estado não seja financeiro, propondo criar “obrigações de investimento com retorno para as populações”, ou seja, “fazendo com que nas zonas onde o custo das operadoras é superior às receitas projetadas, possa isso fazer parte do contributo que os operadores têm de fazer para adquirir as suas licenças”.

Por outro lado, quer criar condições para estimular o roaming nacional. O presidente considera “um absurdo que em certas zonas do país as pessoas tenham uma antena de rede móvel ao seu lado, mas não se possam conectar porque pertence a outro operador”.

Na sua opinião, não há razão para que os operadores não façam acordos entre si, de partilha dessas infraestruturas, porque essa até seria “uma forma de ter mais retorno” do investimento feito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Menino
    27 jul, 2020 Azambuja 11:29
    Então e o que faz a ANACOM? Penaliza os operadores? Incentiva o Governo a criar uma rede nacional com acesso livre aos operadores? Temos uma empresa numa zona de baixa densidade, tivemos um conflito com a MEO e durante anos não nos quis passar para a Fibra e mantém-nos no ADSL. Há meses vieram propor-nos um produto que achando que era uma oportunidade de ter fibra, aceitámos. Distribuíram o cabo mas quando enviaram o caderno de encargos verificámos que não precisávamos de tal produto e contratámos com o comercial um pacote que era o topo do pacote. Temos o cabo enrolado nas nossas instalações, porque não aceitámos o tal serviço. E a ANACOM sabe desta chantagem e até ao momento não fez nada e quando sabe que não há mais nenhum operador.

Destaques V+