Tempo
|
A+ / A-

Fim dos debates quinzenais. Rio admite que houve conversas com o PS

23 jul, 2020 - 20:13 • Paula Caeiro Varela , com redação

O presidente do PSD viu sete deputados da sua bancada votarem contra o fim dos debates quinzenais, mas desvalorizou a questão. "Eu não estou aqui para o mais fácil", mas para "credibilizar o Parlamento", declarou Rui Rio.

A+ / A-

O presidente do PSD, Rui Rio, defende fim dos debates quinzenais para “credibilizar o Parlamento” e admite que o projeto para foi conversado com o PS.

Questionado sobre se articulou a proposta com o secretário-geral do PS, António Costa, o líder social-democrata começo por hesitar, dizendo que “foi conversado com o Partido Socialista" e depois articulado com os socialistas no grupo de trabalho criado para o efeito.

“O secretário-geral do PS, tanto quanto eu sei, está de acordo que o Parlamento faça um esforço no sentido de alterar e credibilizar o modelo”, adiantou Rui Rio.

O presidente do PSD viu sete deputados da sua bancada votarem contra o fim dos debates quinzenais, mas desvalorizou a questão.

“Setenta e dois votaram a favor, aqui nem é o copo meio cheio meio vazio. É um copo que não transborda, mas está muito cheio. Mas isso não é relevante”, frisou.

Os deputados “rebeldes” lamentam que o diploma não tenha sido discutido no seio do grupo parlamentar do PSD. Rui Rio admite que podia ter havido “mais debate”, mas o projeto seguiu a tramitação normal.

“Desde que eu me conheço aqui e entrei para aqui há muitos anos, nunca vi um projeto-lei ser levado ao grupo parlamentar, como ante-proposta, para as pessoas levarem para casa, fazerem as alterações, para depois irmos à especialidade no grupo parlamentar, para termos um documento final e votarmos. Isto nunca aconteceu”, garante Rui Rio.

Com o novo modelo de debates, o Parlamento deu hoje um “passo importante no sentido de uma tentativa de credibilização”, defende.

“Eu passei pelo Parlamento há muitos anos e sei o que era a credibilidade do parlamento há 20 e 30 anos, os protagonistas que o parlamento tinha, a consistência dos debates na altura. E passei agora e vejo o que hoje isto é”, atirou Rui Rio.

O líder do PSD considera que o modelo de debates quinzenais estava esgotado, porque “os deputados não tem procurado esclarecimentos, procuram sim condicionar os noticiários desse dia. Aquilo que procuramos é uma reforma que traga mais substância ao debate”.

Com o diploma agora aprovado, “o primeiro-ministro vai, no mínimo, oito vezes por ano à Assembleia da República, número que pode chegar a 12 se marcar presença nos novos debates do estado da nação setoriais.

Rui Rio admite que a medida pode não ser popular, à primeira vista, mas afirma que tem obrigação moral de contribuir para a credibilização do Parlamento.

"Fazer o contrário é o mais fácil, mas eu não estou aqui para o mais fácil. Estou para fazer aquilo que entendo que é bom para o país e neste caso para o Parlamento. Não pertenço à mobília, mas conheço a vida parlamentar, conheço a forma como se degradou. Como não pertenço à mobília tenho a obrigação moral, de alguém que tem uma visão de fora do Parlamento, de ajudar a credibilizar o Parlamento. Claro que é difícil. O mais fácil para mim era dizer que o primeiro-ministro devia ir ao Parlamento todas as semanas. Isso é o discurso fácil do politicamente correto, difícil é o que estamos a fazer", rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Onde anda o Marcelo?
    24 jul, 2020 Presidente procura-se 08:31
    Espantoso como a quadrilha política nos passa atestados de estupidez com a boca cheia de "credibilidade do parlamento", "aproximar os cidadãos da política", etc, etc, e depois entendem-se uns com os outros para fugir à fiscalização. Neste ponto o silêncio do Martelo é ensurdecedor...

Destaques V+