Tempo
|
A+ / A-

​Trovoada provocou 76 ocorrências

21 jul, 2020 - 13:05 • Lusa

A região centro do país foi a mais afetada, com 16 ignições de incêndio registadas em Castelo Branco.

A+ / A-

A proteção civil registou até ao início da manhã 76 ocorrências, muitas relacionadas com a trovoada que se fez sentir durante a noite e provocou dezenas de ignições, sobretudo nos distritos de Castelo Branco, Santarém, Lisboa e Setúbal.

Segundo disse à Lusa fonte Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), a região centro do país foi a mais afetada, com 16 ignições de incêndio registadas em Castelo Branco. Registaram-se ainda oito em Santarém, cinco em Lisboa e outras cinco em Setúbal.

"Estas ignições foram devido à trovoada que se fez sentir, e que foram fazendo dispersar os meios ao longo dos vários distritos, mas felizmente só há a registar danos materiais de floresta", disse à Lusa o comandante Carlos Pereira, da ANPC.

O responsável disse ainda que, pelas 8h00, a ocorrência que merecia mais atenção era o incêndio de Vila Velha de Ródão, em Castelo Branco, onde segundo o site da ANPC estavam 56 homens, acompanhados de 14 viaturas.

"Os trabalhos estão a decorrer favoravelmente e, dentro de pouco tempo, será dominado o incêndio", acrescentou o responsável, sublinhando que não houve outros danos à exceção dos florestais, por causa das ignições.

Portugal continental tem hoje 12 distritos sob aviso amarelo, o terceiro mais grave, por causada trovoada: Bragança, Viseu, Évora, Guarda, Vila Real, Setúbal, Portalegre, Beja, Lisboa, Leiria, Santarém e Castelo Branco.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.