Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus. Utentes pedem reforço e lamentam eventual fim do limite de lotação nos transportes

17 jul, 2020 - 22:40 • Lusa

Movimento lamentou as declarações do ministro Pedro Nuno Santos sobre limitação nos transportes públicos.

A+ / A-

O Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) pede mais veículos e composições em circulação, e lamentou as declarações do ministro das Infraestruturas e da Habitação, que admitiu acabar com as limitações à lotação nos transportes públicos.

“Aquilo que é mais importante é acabar com o lay-off nas empresas de transporte de passageiros e garantir que às horas de ponta e nos períodos de maior procura se tem o maior número possível de veículos e composições a circular”, destacou o MUSP em comunicado.

Este movimento lamentou ainda as declarações do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, que em entrevista à TSF admitiu acabar com o limite de lotação nos transportes públicos, atualmente em 2/3 da sua capacidade.

“É difícil controlar a lotação num comboio, por exemplo, de Sintra, que leva duas mil pessoas, que tem 20 e tal portas, quatro plataformas na estação... Não conseguimos controlar, é impossível”, declarou o ministro, sublinhando que o executivo tem de “equacionar” o fim dos limites da capacidade máxima face à perspetiva de “problemas sérios de mobilidade na Área Metropolitana de Lisboa".

Também hoje, a ministra da Saúde, Marta Temido, descartou mudanças nas restrições impostas pela pandemia de covid-19 nos transportes públicos.

“As recomendações de saúde publica têm um caráter evolutivo, até em função daquilo que são as novas recomendações das organizações internacionais, mas neste momento não vejo motivo para podermos alterar aquilo que tem estado a ser definido”, afirmou Marta Temido, na conferência de imprensa regular sobre a evolução da pandemia no país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+