Tempo
|
A+ / A-

Postal de Quarentena – Luanda

“Este ano a viagem a Portugal não será para breve”

16 jul, 2020 - 10:35 • Aurora Cristas Valois*

Uma professora portuguesa que vive na capital de Angola escreve-nos sobre a forma como se vive a pandemia em família e em sociedade – ambos os lados da sociedade.

A+ / A-

Leia também:


Angola implementou desde março medidas restritivas que se provaram eficazes na prevenção e combate à pandemia por Covid-19. O país seguiu as indicações da OMS e esteve muito atento ao desenrolar da situação em países com mais casos declarados, agindo atempadamente decretando o confinamento logo aos primeiros sinais da doença.

No dia em que escrevo [9 de julho] registam-se 396 casos, 117 recuperados e 22 mortes num universo de cerca de 30 milhões de habitantes. Angola recua no desconfinamento e reforça as medidas de combate. A cerca sanitária à Província de Luanda e ao município do Cazengo (Cuanza-Norte) mantem-se até 9 de agosto com várias medidas, das quais destaco: o uso obrigatório de máscara na via pública; o recolhimento domiciliar; o horário de funcionamento dos espaços comerciais entre as 07h00 e as 16h00; ajuntamentos de pessoas até ao máximo de 15. Permanecem suspensas as atividades religiosas e as atividades letivas, contrariando-se a previsão de reabertura das escolas a 13 de julho; e as cerimónias fúnebres estão condicionadas a cerca de 10 participantes, ou 5, no caso de a morte se ter dado devido ao Covid. As fronteiras do país continuam fechadas e as quarentenas são obrigatórias a quem consegue chegar ao país em voos humanitários. As multas por incumprimento são elevadas.

Contrastante com o esforço das autoridades governamentais e civis paira toda uma realidade menos confinada, que se prende com a necessidade dos angolanos de sair de casa para ganhar a vida. Organizados nos mercados ao ar livre, ou espontaneamente na borda das ruas e estradas, as zungueiras e os vendedores informais continuam a pintar as ruas com as cores dos produtos que comercializam e agora, também, com as cores das máscaras de proteção feitas de samacacas, os tradicionais panos africanos.

A realidade cá em casa é diferente. O meu marido continua a ir trabalhar todos os dias, pois tem o local de trabalho adaptado de acordo com a nova realidade. As minhas três filhas adaptaram-se rapidamente às aulas online. A mais velha estuda agora para os exames nacionais portugueses, as outras duas vão-se reinventando na tentativa de ocupar as férias grandes, em tempo de cacimbo e muito por casa. Eu tenho trabalhado a partir de casa, mas consigo ir ao colégio em circunstâncias necessárias.

Este ano a viagem a Portugal não será para breve. Não haverá reencontro com avós, primos e tios e amigos. Não haverá matar de saudades de Lisboa, da sua luminosidade ao final da tarde, o encontro com sabores conhecidos, nem o reviver dos espaços de sempre. Não haverá férias no Algarve, nem as festas de anos das miúdas na praia ao final do dia…

Mas haverá dinâmicas em família, cozinhados e novos petiscos, jogos, leituras em dia, convivência com os mais próximos, e imensa esperança de que as coisas melhorem, de que possamos voltar a viajar por este país único em beleza natural e biodiversidade, onde a alegria do seu povo se sobrepõe às imensas dificuldades, e onde acreditamos ser o sítio certo para estarmos nesta fase da nossa vida.

E haverá também a certeza de que, junto com este povo, cumprimos a nossa parte neste combate totalmente inesperado e profundamente desigual.


*Aurora Cristas Valois é professora e desempenha funções numa escola portuguesa em Luanda. É casada e mãe de três filhas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.