Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de ​Covid-19

Sindicatos preocupados com proteção dos trabalhadores do lar de Reguengos de Monsaraz

14 jul, 2020 - 17:39 • Lusa

Concelho alentejano tem 126 casos ativos, 20 curados e 16 óbitos.

A+ / A-

Veja também:


A União dos Sindicatos do Distrito de Évora (USDE) manifestou esta terça-feira "particulares preocupações" em relação à proteção e condições de trabalho dos funcionários do lar de Reguengos de Monsaraz onde surgiu um surto de covid-19.

Em comunicado, a USDE, afeta à CGTP, realçou que o surgimento do surto e o seu desenvolvimento merece "particulares preocupações", tendo em conta "a proteção da população idosa em lares e os seus trabalhadores e de toda a comunidade".

Com a situação no lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS), onde surgiu o surto em 18 de junho, o concelho de Reguengos de Monsaraz regista o maior surto no Alentejo da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

Este concelho alentejano, segundo a mais recente atualização da situação epidemiológica, divulgada hoje pelo município, tinha, na segunda-feira, 126 casos ativos, 20 curados e 16 óbitos.

"É necessário garantir que aos trabalhadores" das instituições particulares de solidariedade social (IPSS) são "fornecidos todos os equipamentos de proteção individual e em quantidade suficiente", advertiu a união dos sindicatos.

A USDE sublinhou que é necessário também garantir que "existe o número adequado de trabalhadores por turno nas várias categorias profissionais e um plano de contingência adequado e que a instituição não está sobrelotada de utentes".

Os sindicalistas do distrito de Évora consideraram ainda que "é preciso garantir que os trabalhadores destas instituições têm condições de trabalho adequadas, com vínculos efetivos, horários e salários dignos".

"No caso do lar de Reguengos de Monsaraz, sendo o seu presidente simultaneamente presidente da câmara municipal, mais conhecimento tem obrigação de ter sobre um conjunto de medidas que precisariam de ser tomadas", acrescentaram.

Também o Governo, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo e a Segurança Social, assinalou a USDE, "precisam igualmente de dar mais respostas que defendam a população, os profissionais de saúde e os trabalhadores".

Estas entidades devem assegurar e valorizar as condições de trabalho dos profissionais, realçou a união dos sindicatos, propondo "a necessária regulamentação do subsídio de insalubridade, penosidade e risco".

Portugal contabiliza pelo menos 1.668 mortos associados à covid-19 em 47.051 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.