|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

EDP vai ser constituída arguida no processo das rendas excessivas

13 jul, 2020 - 00:29 • Redação

Segundo a RTP, o Ministério Público pede ainda que o antigo secretário de Estado, Artur Trindade, seja ouvido como arguido.

A+ / A-

Veja também:


A EDP vai ser constituída arguida no processo das rendas excessivas, que envolve, entre outros, António Mexia e João Manso Neto. A notícia é avançada pela RTP.

Segundo a televisão pública, o Ministério Público pede ainda que o antigo secretário de Estado, Artur Trindade, seja ouvido como arguido.

De acordo com a RTP, que teve acesso ao processo, os procuradores querem que o representante da elétrica, Carlos Mata, seja interrogado até 24 de julho.

O processo das rendas excessivas é investigado há cerca de oito anos. Em causa estão contratos de compensação que terão sido celebrados, a partir de 2004, que terão beneficiado a EDP em cerca de mil milhões de euros.

No inquérito, que tem oito anos, investiga-se "a cessação antecipada do regime de Contratos de Aquisição de Energia (CAE) e transição para o regime de Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) e, ainda, a extensão do direito de utilização do Domínio Público Hídrico (DPH) até ao termo da vida útil das centrais em regime CMEC”.

António Mexia e João Manso Neto, presidentes da EDP e da EDP Renováveis, foram suspensos na semana passada pelo juiz Carlos Alexandre. Estão proibidos de entrar nas instalações da elétrica. A defesa já confirmou que vai recorrer da decisão, mas o recurso não tem efeito suspensivo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.