Tempo
|
A+ / A-

​Covid-19

Governo defende reabertura das fronteiras na União Europeia sem restrições discriminatórias

24 jun, 2020 - 17:40 • Lusa

Questionado sobre os voos para fora da UE adiantou que está a ser definido ao longo desta semana, num trabalho conjunto com a Comissão Europeia, “as regras de diferenciação” de voos para as fronteiras externas,

A+ / A-

Veja também:


O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse esta quarta-feira em Nelas, distrito de Viseu, que “não deve existir nenhuma restrição discriminatória” na reabertura de fronteiras entre os países membros da União Europeia (UE).

“A Comissão Europeia determinou, acordado com todos os países membros, que as fronteiras internas, isto é, dentro da União Europeia, serão abertas até 1 de julho e que não deve existir nenhuma restrição discriminatória, porque o espaço Schengen é fundamental enquanto um espaço de liberdade, segurança e justiça”, assumiu Eduardo Cabrita.

O ministro falava aos jornalistas em Nelas, distrito de Viseu, à margem da cerimónia do centenário dos bombeiros voluntários locais, a primeira em que o governante diz participar desde fevereiro, por causa da pandemia de Covid-19.

Questionado sobre os voos para fora da União Europeia (UE), Eduardo Cabrita adiantou que está a ser definido ao longo desta semana, num trabalho conjunto com a Comissão Europeia, “as regras de diferenciação” de voos para as fronteiras externas, e essas serão definidas “em função da situação sanitária dos países”.

“Portugal tem uma condição sanitária muito melhor que a do Reino Unido”, referiu, e “não tem nenhuma comparação com as dezenas de milhares de vítimas existentes no Reino Unido que tem uma taxa, quer de casos, quer de vítimas mortais, muito superiores a Portugal”.

Neste sentido, Eduardo Cabrita explicou que “é no contexto europeu” que será decidido “quais as exigências a viajantes vindos do Reino Unido”.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 477 mil mortos e infetou mais de 9,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.543 pessoas das 40.104 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Romao
    25 jun, 2020 Paris 08:16
    A abertura das fronteiras deve ter em conta, principalmente, com a propagação do virus de onde as pessoas são procedentes. À semelhança do que é feito, ou vai ser feito, na Islandia, penso que o caminho a seguir deveria ser testar todas as pessoas à entrada do pais. Entendo que é bem mais facil numa ilha mas se queremos ser serios relativamente ao combate do virus então este tem que ser o caminho. Deixar entrar sem testes parece-me uma má decisão