|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Juristas católicos

Legalizar a eutanásia hoje é “ainda mais censurável”

22 jun, 2020 - 12:36 • Ângela Roque

A Associação de Juristas Católicos lamenta a insistência dos deputados em legislar sobre a morte assistida, ignorando as “lições da pandemia”, que obrigou o país a mobilizar-se para “proteger vidas humanas”. A AJC é favorável à realização de um referendo.

A+ / A-

A Associação de Juristas Católicos lembra que “a legalização da eutanásia quebra dois alicerces fundamentais da nossa civilização e da nossa ordem jurídica”: o da “inviolabilidade da vida humana”, consagrado na Constituição, e o de que “todas as vidas humanas sem exceção são merecedoras de proteção”.

Para esta associação (AJC), a resposta do Estado à doença e ao sofrimento tem de passar pelos cuidados paliativos, não pela eutanásia, cuja prática “desvirtua a tarefa dos profissionais de saúde”, cuja missão “sempre foi, e deve continuar a ser, a de servir e proteger a vida humana em todas as suas fases”, defende em comunicado.

Os juristas católicos consideram “ainda mais censurável” que os deputados insistam em legalizar a eutanásia nesta altura, o que entra em “profunda contradição” com as lições que devem ser tiradas da pandemia, que obrigou o país a mobilizar-se para “proteger vidas humanas”, e pôs ainda em “maior evidência a nobreza da missão dos profissionais de saúde”.

A associação manifesta-se favorável à realização de um referendo sobre esta matéria, por considerar que “corresponderia ao mínimo de verdade democrática”, tendo em conta que os maiores partidos não incluíram a legalização da eutanásia nos seus programas eleitorais, e os seus grupos parlamentares estão divididos a esse respeito.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.