|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus

Muçulmanos regressam à Mesquita Central de Lisboa com novas regras

31 mai, 2020 - 18:10 • Lusa

O imã David Munir avisa que a mesquita não vai abrir para a oração da hora de almoço das sextas-feiras, o dia em que tradicionalmente vão mais pessoas rezar.

A+ / A-

Veja também:


A ansiedade é grande junto à Mesquita Central de Lisboa, onde vários crentes descalços se encaminham para os seus lugares na sala de oração, depois de terem ficado dois meses privados de o fazer, devido à pandemia da covid-19.

É naquele lugar de culto muçulmano que as pessoas se aproximam, com os seus tapetes, a uma grande tira de plástico que marca as novas posições. Agora, os fiéis ficam separados por dois lugares, de modo a cumprir a distância de segurança.

Em declarações à agência Lusa, o xeque David Munir diz que a Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL) se adaptou conforme as regras da Direção-Geral da Saúde (DGS), revelando que a principal oração, que decorre à sexta-feira, não se vai realizar tão cedo.

“Quando se falou das reaberturas dos espaços religiosos, a Comunidade Islâmica refletiu e pensou em criarmos condições para as pessoas virem fazer as suas orações”, observa.

De acordo com o imã da Mesquita Central de Lisboa, foram criadas regras de distanciamento social e as pessoas são obrigadas a usar máscara durante as orações, bem como a levar o seu próprio tapete.

Alertando os crentes para ficarem o menos tempo possível nas instalações, o xeque Munir anuncia que o espaço religioso estará encerrado à hora do Salat al-Jummah, que junta cerca de 1.200 pessoas.

“Sexta-feira é o dia mais importante. À hora de almoço temos a oração mais importante, e, por enquanto, a Mesquita Central de Lisboa, para oração das sextas-feiras, não irá abrir”, afirma David Munir, no átrio do lugar de culto muçulmano.

Sem apontar para uma data de início para o Salat al-Jummah, o representante diz que a decisão irá depender da evolução da pandemia. As mesquitas estavam encerradas desde 19 de março, quando o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decretou estado de emergência.

Num dos corredores, já no fim da oração, está Abdul Seco, para quem foi triste o tempo em que a mesquita esteve encerrada.

“Todos nós vivemos esta pandemia com alguma tristeza. A questão de voltar novamente aos cultos, às orações, é uma forma de nos alimentarmos também espiritualmente em congregação”, salienta à Lusa.

Para Abdul Seco, regressar ao lugar de culto religioso é uma forma de voltar “a ter esperança”.

“É agradável voltarmos a ver as pessoas com que nós sempre convivemos, é agradável voltarmos à casa de Deus e voltarmos à nutrição espiritual”, diz, lembrando que o período do Ramadão, entre 23 de abril e 23 de maio, foi “bastante doloroso”.

Numa cadeira de rodas, já com alguma idade, encontra-se Hasham Abdulla, que se manifesta emocionado com o regresso à normalidade.

“Sinto-me muito contente, muito contente”, exclama, referindo que “os muçulmanos estão a rezar por Portugal, estão a rezar por causa da doença [covid-19]”.

No dia em que Mesquita Central de Lisboa reabriu, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve presente na oração das 14:00, tendo agradecido o sacrifício da comunidade muçulmana nos últimos dois meses.

“Quero agradecer-vos a forma tão sensível como assumiram o sacrifício dos atos coletivos de manifestação da vossa fé a pensar na vida e na saúde de todos os portugueses”, disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.