|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

O mal, por Rubem Fonseca

17 abr, 2020 • Opinião de Henrique Raposo


"À medida que vemos o mundo através dos olhos de um assassino, fica claro que amamos como ele, temos raiva como ele; as diferenças estão nos pormenores e talvez na sorte. O mal está dentro de nós, adormecido".

Como é que se escreve sobre o mal? Para mim há duas maneiras, a do Camus e a do Rubem Fonseca, que morreu nesta semana.

Devido à pandemia, Albert Camus ressuscitou no top de vendas com “A Peste”. Ainda bem. É um dos meus livros favoritos. Bernard Rieux, o herói discreto deste romance parábola, é a personificação da decência, o espaço moral intermédio entre a utopia fútil e auto-indulgente e o cinismo da desistência.

Quando a sua cidade é assolada por uma peste, o médico Bernard Rieux não desiste, não cede ao cinismo nem ao desespero. Mesmo não tendo grandes esperanças na Humanidade, Rieux salva um homem de cada vez. Mesmo que aquele mal seja invencível, o dever dele é lutar. No combate à Covid-19, o mundo está a conhecer os seus Bernard Rieux, os heróis discretos que fazem o seu dever no hospital, na rua, em casa.

Nas personagens de Rubem Fonseca encontramos outra coisa. Se em Camus vemos o mal a partir da resistência da decência, em Fonseca vemos o mundo a partir do mal. Tal como Cormac McCarthy, Rubem Fonseca força o leitor a reencarnar na pele de um assassino ou violador, obriga-nos a ver o mundo através desse criminoso ou abusador. Somos forçados a sentir aquilo que essa personagem sente quando está a executar um acto hediondo.

O mal deixa assim de ser uma substância distante; o mal não é o “outro”, o mal somos nós, somos nós que estamos a executá-lo e a senti-lo. Sentimos o prazer do mal, a impunidade do mal, a inteligência sem freio do mal, até a fragilidade do mal. Não sentimos só medo. Sentimos um temor teológico e um desejo de Deus. Queremos correr para o Pai, literalmente; ansiamos por um Deus que nos retire deste inferno.

Além da proximidade em relação ao mal, o temor brota em nós por mais duas razões quando estamos a ler Rubem Fonseca. Em primeiro lugar, percebemos que o mal pode triunfar, que a impunidade é possível, que o mal escapa às leis terrenas e talvez às leis divinas. Talvez. Em segundo lugar, percebemos que não somos assim tão diferentes daquele assassino desenhado pelo ex-polícia Rubem Fonseca. À medida que vemos o mundo através dos olhos de um assassino, fica claro que amamos como ele, temos raiva como ele; as diferenças estão nos pormenores e talvez na sorte. O mal está dentro de nós, adormecido. De resto, aquilo que costumamos apelidar de moral ou ética são soporíferos que mantêm esse mal adormecido.

Se Camus é uma arma, Rubem Fonseca é um espelho.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adélio Pequenino
    19 abr, 2020 Terras da Vernária 22:55
    De facto, o mal está dentro de nós, porque, às vezes, cegamente , libertamos, com o voto, um malandrão para governar a Nação ou uma região. O homem que quer ser feliz procura trabalho. O que prefere ser escravo frequenta a taberna, a felicidade do povo de qualquer Nação ou região depende de quem a governa. Malaquias, Malaquias, ergue - te do túmulo. Não te rias . Grita de novo : as culpas dos Sacerdotes; as culpas dos povo. Espero que tenham tido um Santo Domingo e que tenham um feliz semana. Boa noite.