|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A presidente da Comissão não desiludiu

28 mai, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Ursula von der Leyen apresentou uma proposta corajosa e inovadora para a recuperação económica no espaço comunitário. Espera-se, agora, que alguns países pouco empenhados na solidariedade europeia não destruam essa proposta.

Falo da presidente da Comissão Europeia porque o plano ontem apresentado foi basicamente produzido pelo seu gabinete; os outros comissários apenas o conheceram na manhã de ontem. Trata-se de uma proposta ambiciosa e inovadora.

Nessa proposta figura um fundo de recuperação económica no qual se preveem 500 mil milhões de euros a fundo perdido – a mesma verba inscrita na proposta Merkel-Macron (foi fundamental para esta proposta a mudança de posição de Merkel). Depois há 250 mil milhões para empréstimos aos Estados membros – uma concessão compreensível aos chamados “países frugais” (Holanda, Áustria, Dinamarca e Suécia).

Ursula von der Leyen quer subir o orçamento da UE para cerca de 2% do PIB comunitário (atualmente anda por apenas cerca de 1%). Mas como a discussão em torno do orçamento para 2001-2027 pode ainda demorar semanas ou até meses, Ursula pediu autorização ao Parlamento Europeu para uma subida extraordinária e transitória do orçamento previsto para este ano (já esgotado), de modo a que se possa avançar quanto antes nos apoios aos Estados membros. Uma inovação inteligente.

A única condicionalidade desses apoios está em solicitar aos países que pedem ajuda um plano de reformas e uma lista de investimentos. Não é o regresso de uma qualquer “troika”.

Inovadora é, também, a forma como a Comissão projeta financiar os apoios que concede: através da emissão de dívida dela própria nos mercados financeiros. É uma forma subtil de concretizar alguma mutualização das dívidas, outra novidade na UE.

Por outro lado, a Comissão irá propor novas fontes de recursos próprios da UE. “Estes – afirmou a presidente da Comissão - poderiam basear-se no aumento previsto do comércio de emissões, ou num imposto sobre o carbono nas fronteiras, que funciona como um mecanismo de compensação contra a importação de produtos baratos e nocivos para o clima provenientes do estrangeiro, ou ainda num novo imposto sobre os serviços digitais”.

Como afirmou António Costa, cabe agora aos governos dos 27, reunidos em Conselho, “não frustrar esta esperança". Vai ser um combate difícil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • César Saraiva
    28 mai, 2020 Maia 17:55
    Aleluia!!!... Ficou provado o que ando a dizer há longos anos: Este mundo só avançará quando todo ele for governado por mulheres...