|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Trump quer igrejas e locais de oração abertos, por serem "essenciais"

23 mai, 2020 - 12:32 • Lusa

"Temos de ter as igrejas abertas", defendeu o presidente dos Estados Unidos, apelando aos governadores estaduais para que autorizem a sua reabertura este fim-de-semana, apesar da pandemia de covid-19.

A+ / A-
Veja também:

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou esta sexta-feira que considera as igrejas e outros locais de oração "essenciais" e apelou aos governadores estaduais para que autorizem a sua reabertura este fim-de-semana, apesar da pandemia de covid-19.

"Hoje, estou a classificar as casas de oração - igrejas, sinagogas e mesquitas - como locais essenciais que fornecem serviços essenciais", afirmou o Presidente norte-americano durante uma conferência de imprensa.

Trump ameaçou que se os governadores não obedecerem às suas ordens, iria desautorizá-los, se bem que não esteja claro com que autoridade o poderia fazer.

O Centro de Controlo de Doenças e Prevenção preparou há semanas orientações para a reabertura de locais de oração, mas a Casa Branca recusou divulgá-las até esta sexta-feira, quando Trump abruptamente mudou de rumo.

"Eu disse 'é melhor que as divulguem'. E eles vão fazê-lo", disse Trump na sexta-feira, em uma fábrica da Ford Motor transformada para produzir ventiladores, no Estado do Michigan.

"E eles vão fazê-lo, divulgar alguma coisa hoje ou amanhã sobre as igrejas. Temos de ter as igrejas abertas", defendeu.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou quase 330 mil mortos e infetou mais de 5,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,9 milhões de doentes foram considerados curados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.