|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Costa vai chamar partidos antes de nomear novo governador do Banco de Portugal

20 mai, 2020 - 17:05 • Lusa

No debate quinzenal que decorre na Assembleia da República, em Lisboa, e numa resposta ao PAN, o primeiro-ministro assegurou que "a escolha do próximo governador será feita nos termos da lei".

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou esta quarta-feira que vai reunir-se com os partidos com representação parlamentar antes da escolha do novo governador do Banco de Portugal, que "será feita nos termos da lei".

"Quanto ao cargo de governador do Banco de Portugal, já tive oportunidade de dizer, quando chegar à altura própria para proceder à substituição do atual governador, eu, ao contrário do que foi feito pelo meu antecessor, procederei à audição e à consulta de todos os partidos representados nesta Assembleia da República", afirmou.

No debate quinzenal que decorre na Assembleia da República, em Lisboa, e numa resposta ao PAN, o primeiro-ministro assegurou que "a escolha do próximo governador será feita nos termos da lei".

Na abertura do debate, o porta-voz do PAN, André Silva, começou por afirmar que "Mário Centeno tem sido unanimemente considerado um bom ministro das Finanças", mas, "curiosamente, é o único membro do Governo que aparenta estar de saída".

"Permita-me discordar, não há unanimidade na classificação do doutor Mário Centeno como um bom ministro das Finanças, há aqueles também que o consideram um muito bom ministro das Finanças e os que o consideram também um ótimo ministro das Finanças", respondeu Costa.

Na ótica do PAN, o atual ministro "não consegue assegurar a objetividade exigível ao exercício das funções do Governador de Portugal", pelo que o partido questiona "como é que alguém consegue garantir independência e imparcialidade no exercício da autoavaliação".

"Mário Centeno terá de avaliar e decidir sobre o impacto de muitas decisões que ele próprio tomou enquanto ministro das Finanças. E é só isto que está em causa, não a ética da pessoa, mas sim a falta dela no salto direto do Ministério das Finanças para o Banco de Portugal", concretizou o deputado, lembrando a proposta do PAN para que seja instituída a obrigatoriedade de "um intervalo de cinco anos para quem pretende sair do Governo ou da banca comercial para o Banco de Portugal".

André Silva quis saber também se o primeiro-ministro "não vê nenhum conflito de interesses ou problema ético nestas eventuais nomeações". Depois da resposta do chefe de Governo, o porta-voz do PAN fez questão de "registar que [Costa] não vê nenhum conflito de interesses, ou problemas éticos, na nomeação do doutor Mário Centeno para governador do Banco de Portugal".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.