Tempo
|
A+ / A-

Os automóveis também se vendem à mesa

11 mai, 2020 - 12:08 • Luís Aresta

As empresas do ramo automóvel encaram a anunciada reabertura dos restaurantes como um elemento necessário e “catalisador da economia”. Há uma semana de portas abertas, as vendas de carros nos "stands" são residuais, diz a associação do setor.

A+ / A-

O presidente da associação nacional do ramo automóvel (ANECRA) classifica de “residuais” as vendas de viaturas concretizadas na primeira semana com os "stands" abertos, depois de terminado o estado de emergência.

“Nos que tinham oficinas e as mantiveram a funcionar, alguns clientes, por curiosidade, foram perguntando preços, mas as vendas são residuais”, diz Alexandre Ferreira, à Renascença.

O presidente da ANECRA esclarece ainda que “só reabriram entre 70 a 80’% dos 'stands', porque foi necessário criar condições e alguns não conseguiram, razão pela qual tanto concessionários como representantes multimarca não abriram na totalidade”.

“Objetivamente, a oferta existe, o que não há é procura, porque está subjacente a tudo isto uma questão de confiança por parte do consumidor final, que ainda não se reinstalou, o que, para nós, era previsível que viesse a acontecer”, sublinha.

Reabertura dos restaurantes é essencial

Quem, na vida, não fechou um negócio à mesa de um restaurante? A pergunta tem tudo a ver com o deserto que continua a caraterizar as ruas de muitas cidades portuguesas e que, o primeiro-ministro pôde testemunhar na passada sexta-feira, quando percorreu o centro do Porto, entre a estação de metro da Trindade e a Rua de Santa Catarina.

O que António Costa viu – e o Secretário de Estado do Comércio João Torres, também – foi lojas abertas, mas sem clientes, porque não há gente nas ruas. O cenário, que não é exclusivo da cidade do Porto, pode mudar na segunda-feira, dia 18, com a reabertura dos restaurantes, espera o presidente da ANECRA.

“Quando se fala de venda de automóveis, os negócios também se fazem a partir da restauração e de outros locais onde é possível estabelecer uma relação mais próxima”, diz, fazendo notar um outro constrangimento provocado pelo facto de os restaurantes permanecerem fechados.

“Independentemente das condições que estão a ser criadas e dos equipamentos de proteção individual, não ter onde comer é um grande problema para as pessoas”. Por estes motivos, Alexandre Ferreira, olha para a reabertura dos restaurantes como um “catalisador da restante economia”, esperando que esse cenário de melhoria se concretize a partir da próxima semana.

Recuperar psicologicamente e retomar a confiança

A partir do momento em que foram criadas condições para a reabertura, “o processo de recuperação de uma dinâmica é muito lento, o que só virá a acontecer quando a confiança se reinstalar nas empresas e nos particulares”, considera, nesta entrevista à Renascença.

Alexandre Ferreira faz notar que “ou há consumidor e cliente final ou dificilmente conseguiremos ter o retorno que pretendemos”.

O presidente da ANECRA acredita que a retoma do sentimento de segurança terá uma “evolução paulatina, acompanhando, se Deus quiser, aquilo que vão sendo os resultados mais favoráveis da pandemia no nosso país. Psicologicamente, vamos ter que recuperar e adquirir a tal confiança que nos permita dinamizar a economia”, sublinha-

O dirigente da associação nacional do ramo automóvel conclui com uma mensagem que sintetiza a realidade atual do setor e, porventura, de muitos outros: “Há que ter alguma calma num processo que se antevia como difícil, depois de um estado pandémico que nos colocou numa situação perfeitamente anormal”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.