Tempo
|
A+ / A-

App australiana de rastreio da Covid-19 já tem 2,4 milhões de utilizadores

28 abr, 2020 - 08:23

A "COVIDSafe" permite enviar um "passou-bem digital" e notifica o utilizador se este tiver estado mais de 15 minutos em proximidade com alguém infetado com o novo coronavírus. O Governo português também tem app em desenvolvimento.

A+ / A-

Veja também:


Cerca de 2,4 milhões de australianos descarregaram a app estatal de rastreio de contactos no âmbito da pandemia do novo coronavírus, de acordo com o ministro da Saúde da Austrália, Greg Hunt.

A "COVIDSafe", aplicação desenvolvida para "smartphones", usa um sinal de Bluetooth para trocar um "passou-bem digital" com outro utilizador, quando as duas pessoas estão a 1,5 metros de distância. A aplicação cataloga o contacto e encripta-o, e os utilizadores serão notificados se tiverem estado mais de 15 minutos em contacto próximo com outro utilizador que tenha testado positivo à Covid-19.

De acordo com Greg Hunt, a Austrália conta com 6.727 casos confirmados do novo coronavírus, dos quais resultara 85 mortes. O ministro da Saúde australiano acredita que o país está a conseguir "não só aplanar a curva, mas consolidá-la, estendê-la e segurá-la".

Portugal também tem "app" em perspetiva


Em Portugal, o Governo tem uma "app" em desenvolvimento desde março. A "monitor4Covid19", apresentada na segunda-feira, pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC Tec), alerta quem a utilizar se esteve em contacto próximo com alguém infetado com o novo coronavírus.

Ideia que não tem sido recebida de forma unânime, dado que cria preocupações relativamente à privacidade. O vice-presidente da Associação D3 - Defesa dos Direitos Digitais, Ricardo Lafuente, disse à Renascença que uma "app" do género, de "vigilância tecnológica", seria "catastrófico para a proteção de dados" e de "eficácia limitada".

“Se o Governo agora dissesse que tínhamos de instalar uma câmara à porta, ou até dentro de casa, para verificar que não estamos a violar a quarentena, seria uma medida autoritária”, afirmou o ativista digital.

Contudo, também em declarações à Renascença, Rui Carlos Oliveira, administrador do INESC Tec que coordena os trabalhos de desenvolvimento da "monitor4Covid19", garante que, "uma vez instalada, a aplicação não solicita quaisquer dados à pessoa, nem sequer autorização para obter dados do próprio telemóvel".

Há mais de três milhões de pessoas, em todo o mundo, infetadas com o novo coronavírus, responsável pela Covid-19. Doença que já matou mais de 210 mil pessoas e da qual quase 900 mil recuperaram.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.