Tempo
|
A+ / A-

Opinião de Ánxel Vence

Portugal (felizmente) continua único

25 abr, 2020 - 23:09 • Ánxel Vence*

Tão diferentes são os portugueses que, recém-saídos de uma brutal crise económica, têm sabido combater com extraordinária – quero dizer, rara – eficácia o mesmo vírus que faz sangrar Espanha.

A+ / A-

“Meus Senhores”, disse o capitão nesse tempo incerto que precede o amanhecer. “Como vocês sabem, há Estados sociais, Estados corporativos, Estados democráticos e, finalmente, o estado a que chegamos. Nesta noite solene vamos acabar com o estado a que chegamos. De maneira que, os que querem vir comigo, dão um passo em frente e vamos a Lisboa dar um fim nisto”.

Assim começou, com cortesia e humor tipicamente britânicos, o golpe militar – sem derramamento de sangue – que faz hoje 46 anos e que devolveu aos portugueses a liberdade e o direito de escolher os governantes que fossem mais do seu gosto. Horas depois da patriótica arenga seguida, sem hesitação alguma, pelos 240 soldados da sua companhia, o capitão Salgueiro Maia tomava Lisboa como num sonho para devolver a capital aos lisboetas e ao mundo civilizado em geral.

Não é habitual que os militares assaltem o poder para derrubar uma ditadura em vez de a instaurar; mas sabe-se que Portugal é, também neste sentido, um país fora do comum.

Ali, do outro lado do Minho, falam baixinho, têm horários europeus e competem vantajosamente com os galegos no cultivo da nostalgia e do “sentidiño”. Não é assim de estranhar o harmonioso convívio em Lisboa de um conservador levemente monárquico na presidência da República e um socialista, apoiado pelos partidos à sua esquerda, na chefia do Governo. Parte se explicará por essa fleuma portuguesa – não tão conhecida como a britânica – e o elevado nível de formação e experiência de quase todos os seus políticos que em Portugal são habitualmente uma elite de doutorados em universidades de todo o mundo.

Tão diferentes são os portugueses que, recém-saídos de uma brutal crise económica, têm sabido combater com extraordinária – quero dizer, rara – eficácia o mesmo vírus que faz sangrar Espanha.

É uma estranha maravilha comparável àqueles capitães do ramo poético de Walt Whitman que, há 46 anos, tiveram a coragem de antecipar a primavera e fazer crescer cravos na boca de espingardas. Gente jovem, valente e generosa que logo voltou sem fazer ruído aos seus quartéis ou à vida civil, os “rapazes dos tanques”, soldados da democracia que ofereceram aos portugueses.

Meio século vai cumprir já o obséquio: e aí continua, tão resplandecente. Oh capitão, meu capitão.


* jornalista e escritor galego

25 de abril em quarentena. Portugueses cantaram "Grândola Vila Morena" à janela
Portugueses e galegos celebraram 25 de Abril em pandemia à janela a entoar "Grândola VIla Morena". Vídeo: Inês Rocha/RR
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Juan
    27 abr, 2020 Meder-Salvaterra de Miño 11:45
    Este é o Portugal que eu coñezo e que vivo e non a inorancia dos meus achegados ou viciños. Grazas a Anxel Vence, o meu periodista mais admirado.