Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Há ventiladores com botões em mandarim. Governo desdramatiza

23 abr, 2020 - 14:01 • Inês Braga Sampaio

Secretário de Estado frisa que, se necessário, os profissionais podem fazer formação para permitir a leitura dos indicadores.

A+ / A-

Veja também:


O secretário de Estado da Saúde desdramatizou, esta quinta-feira, a existência de ventiladores, encomendados da China, com botões em mandarim. Se for preciso, acrescentou António Lacerda Sales, pode ser dada formação aos profissionais de saúde, para que consigam ler os indicadores.

"Tivemos de recorrer ao mercado e o nosso recurso ao mercado, em termos de ventiladores, foi ao mercado chinês. Alguns vêm, de facto, com botões e indicadores em chinês, mas também há indicadores universais que facilitam o acesso", assinalou o governante, em conferência de imprensa.

Se houver casos em que não seja mesmo possível ler os indicadores, António Lacerda Sales tem uma solução: "com certeza haverá maneira de fazer formação dos profissionais. Não na língua, mas com certeza nos indicadores, o que facilitará a sua utilização".

De qualquer forma, o secretário de Estado lembrou que todos os ventiladores, quando chegam a Portugal, passam por um processo de validação, sendo só depois distribuídos pelos vários hospitais do país.

A Covid-19 já afetou 22.353 pessoas em Portugal, das quais morreram 820, segundo a atualização desta quinta-feira da Direção-Geral de Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Sousa
    23 abr, 2020 Luanda 17:34
    Se pegassem no resto dos 10 milhões. A parte dos ventiladores que ainda não chegaram da china e alocassem essa verba aos ventiladores "Fabricado em Portugal" ???

Destaques V+