Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Alunos do Superior regressam às aulas presenciais gradualmente a 4 maio

18 abr, 2020 - 11:00 • Lusa

Ministério da Educação acredita que poderá haver condições para voltar ao modelo de ensino presencial no próximo mês, à semelhança do que tem sido pensado para os alunos do 11.º e 12.º anos de escolaridade.

A+ / A-

Veja também:



As universidades e institutos politécnicos têm duas semanas para se preparar para a possibilidade de recomeçar as aulas presenciais no início de maio, segundo um despacho do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).

A tutela quer que haja um regresso gradual às instituições e que se privilegie as aulas práticas e laboratoriais, que foram as mais afetadas desde que o Governo mandou encerrar todos os estabelecimentos de ensino para tentar conter a disseminação do novo coronavírus que já provocou 657 mortos em Portugal.

Depois de um mês de ensino à distância, o ministério acredita que poderá haver condições para voltar ao modelo de ensino presencial em 4 de maio, à semelhança do que tem sido pensado para os alunos do 11.º e 12.º anos de escolaridade.

Uma das razões para esta decisão é "a necessidade de assegurar a conclusão do corrente ano letivo em prazos tão próximos quanto possíveis do que se encontrava previsto no calendário escolar, evitando impactos negativos sobre o próximo ano letivo", refere a nota do MCTES publicada no site da Direção Geral do Ensino Superior (DGES).

A prioridade no regresso às aulas presenciais deve ser dada às aulas práticas e de laboratório, assim como às avaliações finais das disciplinas e à conclusão dos estágios.

As instituições de ensino superior têm autonomia para definir de que forma vão reabrir, tendo duas semanas para elaborar os planos de levantamento das medidas de contenção do novo coronavírus, que já infetou mais de 19 mil pessoas em Portugal.

Entre as medidas dos planos está a necessidade de garantir "sempre condições de distanciamento social" e assegurar "a utilização por todos de equipamentos de proteção individual, designadamente máscaras de uso geral".

Caberá às instituições científicas e de ensino superior disponibilizar os equipamentos de proteção individual assim como os materiais desinfetantes e de limpeza que garantam as medidas de higiene recomendadas pelas autoridades de saúde.

O MCTES defende ainda que as instituições de ensino devem manter o estímulo ao teletrabalho e ao ensino à distância, combinando-os de forma gradual com as atividades presenciais.

O ministério adverte que o regresso às aulas presenciais de forma faseada a partir de 4 de maio estará sempre "sujeita à alteração do atual estado de emergência", que deverá terminar em 2 de maio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Beatriz
    18 abr, 2020 Gondomar 16:42
    Acho que isto só prova a pouca importância que as vidas têm para quem está no poder. Estou a ter aulas online por agora e bem sei que há alunos que não têm tal possibilidade mas pergunto: colocar alunos em risco forçando aglomerações é solução? Eu pessoalmente tenho pavor de voltar às aulas presenciais. Pavor! Sinto-me assustada com a situação que considero ser uma falta de respeito para com a vida. Qual é a justificação? Levar o ano com normalidade? E os alunos com problemas respiratórios e doenças crónicas? São grupo de risco e não podem ir. Querem dizer-me que esta medida os protege a eles? Vão ficar para trás em relação aos outros mas deduzo que ninguém quer saber. Eu própria vou considerar se ponho os pés na minha faculdade caso ela abra. Estudo no Porto o que já por si é perigoso e venho de Gondomar, um dos conselhos mais infetados. Perturba-me pensar que posso estar infetada sem saber e arriscar a vida dos meus colegas e das pessoas que irão comigo no transporte público que eu, tal como centenas de alunos apanhamos para chegar à faculdade
  • 18 abr, 2020 Palmela 12:12
    A radio renascenca esta esconder noticias aos portugueses! Esta correr uma peticao online contra as comemoracoes do 25 abril!

Destaques V+