Tempo
|
A+ / A-

FMI. Dívida pública de Portugal pode chegar a novo máximo de 135%

15 abr, 2020 - 14:12 • Sandra Afonso

Esta percentagem é o resultado do efeito conjugado da queda do PIB, em 8%, com a subida do défice para 7,1%, este ano.

A+ / A-

Veja também:


A dívida pública de Portugal vai disparar com a actual crise para um novo máximo de 135% do PIB, acima do registado na anterior recessão, indicam as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) conhecidas esta quarta-feira.

Esta percentagem é o resultado do efeito conjugado da queda do PIB, em 8%, com a subida do défice para 7,1%, este ano.

O Fiscal Monitor, o relatório do FMI agora divulgado, coordenado por Vítor Gaspar, o ex-ministro das Finanças português, revela ainda que as necessidades de financiamento das economias desenvolvidas vão disparar.

Portugal está entre os países que mais dinheiro precisam, 18,6% do PIB, segundo este trabalho. A lista é liderada pelo Japão e Estados Unidos.

De acordo com estas previsões, a dívida pública do Estado português deverá aumentar 17,4 pontos percentuais, de 117,6% para 135% do PIB, ainda este ano. Este cenário afasta ou, pelo menos, dificulta seriamente a meta do governo, que pretende reduzir a dívida para 100% até ao final da legislatura.

Mário Centeno conseguiu cortar a dívida até 117,6% do PIB, no ano passado. O último máximo registado na dívida pública é de 2014, altura em que chegou a 132,9% do PIB.

Para 2021 o FMI aponta para uma recuperação, com o PIB a subir 5%, o défice deverá descer para 1,9% e a dívida pública cair 6,5 pontos percentuais, para 128,5%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.