Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Guterres deixa 8 alertas sobre ameaças do coronavírus à segurança internacional

10 abr, 2020 - 11:42 • Marta Grosso

Secretário-geral da ONU discursou na primeira reunião do Conselho de Segurança sobre a pandemia de Covid-19. China e EUA não esconderam divergências e a reunião resultou inconclusiva.

A+ / A-

Veja também:


O secretário-geral das Nações Unidas participou na primeira reunião do Conselho de Segurança sobre a pandemia de Covid-19 e alertou o organismo para o impacto que a crise está a ter ao ameaçar a paz e a segurança a nível internacional e identificou oito riscos que o preocupam.

Primeiro, a pandemia de Covid-19 ameaça corroer ainda mais a confiança nas instituições públicas, principalmente se os cidadãos perceberem que os seus líderes lidaram mal com a resposta ou não são transparentes no escopo da crise.

Segundo, as consequências económicas dessa crise podem criar causas de stress importantes, particularmente em sociedades frágeis, países menos desenvolvidos e em transição. A instabilidade económica terá impactos particularmente devastadores para as mulheres, que compõem a grande maioria dos setores mais afetados. O grande número de famílias chefiadas por mulheres em situações de conflito é especialmente vulnerável a choques económicos.


Terceiro, o adiamento de eleições ou referendos, ou até a decisão de prosseguir com a votação – mesmo com medidas de mitigação – podem criar tensões políticas e minar a legitimidade. Tais decisões são melhor tomadas após ampla consulta destinada a um consenso. Não é hora de oportunismo político.

Quarto, em alguns contextos de conflito, a incerteza criada pela pandemia pode criar incentivos para alguns atores promoverem mais divisão e turbulência. Isso poderia levar a uma escalada da violência e, possivelmente, a erros de cálculo devastadores, o que poderia fortalecer ainda mais as guerras em andamento e complicar os esforços para combater a pandemia.

Quinto, a ameaça do terrorismo continua viva. Grupos terroristas podem ver uma janela de oportunidade para atacar enquanto a atenção da maioria dos governos está voltada para a pandemia. A situação no Sahel, onde as pessoas enfrentam o duplo flagelo do vírus e a escalada do terrorismo, é uma preocupação particular.

Sexto, as fraquezas e a falta de preparação exposta por essa pandemia fornecem uma janela para o desenrolar de um ataque bioterrorista – e pode aumentar seus riscos. Grupos não estatais poderiam obter acesso a cepas virulentas que poderiam representar devastação semelhante às sociedades de todo o mundo.

Sétimo, a crise impediu os esforços internacionais, regionais e nacionais de resolução de conflitos, exatamente quando eles são mais necessários. Muitos processos de paz pararam quando o mundo respondeu à Covid-19.

Os nossos escritórios e compromissos de mediação sentiram o impacto e restrições ao movimento podem continuar a afetar o trabalho de vários mecanismos baseados na confiança, bem como nossa capacidade de participar de uma diplomacia de crise para diminuir os possíveis conflitos.

Oitavo, a pandemia está a provocar ou exacerbar vários desafios de direitos humanos.

Estamos vendo estigma, discurso de ódio, supremacistas brancos e outros extremistas que procuram explorar a situação. Estamos a testemunhar discriminação no acesso aos serviços de saúde. Refugiados e pessoas deslocadas internamente são particularmente vulneráveis. E há crescentes manifestações de autoritarismo, incluindo limites aos órgãos de comunicação social, espaço cívico e liberdade de expressão”.

Leia aqui todo o discurso.

EUA pedem transparência. China pede cooperação

A primeira reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a pandemia causada pelo novo coronavírus terminou sem conclusões.

Pedida por nove países (nove dos 10 membros não permanentes), a reunião do órgão de decisão da ONU começou na quinta-feira e só terminou na madrugada desta sexta-feira.

Durante o encontro, Estados Unidos e China deixaram claras as suas divergências, com Washington a exigir a Pequim total transparência na informação e a China a sublinhar que a pandemia de Covid-19 é um "desafio global", que exige "cooperação" e "apoio mútuo", sem "bodes expiatórios".

“Os Estados Unidos reiteram a necessidade de total transparência e partilha, com toda a comunidade internacional, de dados e informação de saúde pública atualizada. A melhor maneira de conter esta pandemia é através da recolha e análise de dados científicos rigorosos que nos permitam chegar à origem e características do vírus”, defendeu Kelly Craft, representante dos EUA na ONU.

Zhang Jun, o representante chinês, respondeu dizendo que “a China ofereceu apoio de várias formas a mais de 100 países, incluindo todos os membros do Conselho de Segurança, fornecendo suplementos médicos, partilhando experiências, enviando equipas de especialistas e auxiliando na compra comercial”.

“O apoio da China não vai parar enquanto a pandemia não acabar”, garantiu ainda.

Zhang Jun defendeu ainda que “com o maior senso de responsabilidade pelo povo chinês e pelo mundo, o governo chinês adotou as medidas mais abrangentes, completas e rigorosas de prevenção e controlo” da então epidemia, com “resultados importantes alcançados no estágio atual”.

O enviado de Pequim sublinhou de seguida a necessidade de cooperação entre a comunidade internacional. “A pandemia de Covid-19 mostra mais uma vez que vivemos numa aldeia global com futuro partilhado”, afirmou.

“Para superar esse desafio global, precisamos de solidariedade, cooperação, apoio mútuo e assistência; encontra bodes expiatórios não nos levará a lugar algum. Quaisquer atos de estigmatização e politização devem ser rejeitados”, defendeu.

China não permitiu reunião antes

O Conselho de Segurança reuniu-se na quinta-feira já sob a presidência da República Dominicana. Até 31 de março, a presidência foi assegurada pela China, que não viabilizou o pedido da Estónia para debater a pandemia enquanto ameaça à paz e à segurança mundial – uma decisão apoiada pela Rússia (membro permanente do Conselho de Segurança como a China e, portanto, com direito de veto) e pela África do Sul.

A China rejeitou a proposta com o argumento de que não havia consenso para discutir a questão (o consenso entre os membros é um requisito essencial para aceitar qualquer proposta de discussão no Conselho de Segurança), o que provocou reações críticas quanto ao modo como a ONU estava a reagir à pandemia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.