Tempo
|
A+ / A-

​Alojamento Local. Proprietários negaram reservas a quem quis fazer turismo na Páscoa

09 abr, 2020 - 13:58 • Hugo Monteiro

A Associação de Alojamento Local confirma que houve várias tentativas de reserva para o fim de semana da Páscoa, apesar da pandemia do novo coronavírus e do estado de emergência. Foram os próprios proprietários a negar os alugueres.

A+ / A-

Veja também:

A Associação do Alojamento Local confirma que foram várias as tentativas para reservar casas e quartos para o fim de semana da Páscoa, apesar das restrições impostas pela declaração de estado de emergência.

Em entrevista à Renascença, o presidente da associação, Eduardo Miranda, revela, contudo, que têm sido os próprios proprietários a negar a possibilidade de aluguer.

“Infelizmente, há quem tenha tentado ultrapassar” as restrições impostas e que “tenha tentado fazer férias como habitualmente faz” nesta época da Páscoa, explica.

Eduardo Miranda sublinha, contudo, que “felizmente houve aqui uma enorme consciência dos próprios titulares e proprietários de alojamento local, que apesar de estarem abertos, porque por lei, exceto o caso da Madeira, podem operar, entenderam que, aquelas pessoas que estavam a incumprir as regras de não se limitarem aos concelhos de residência, não podiam ser alojadas.”

Os proprietários, “por consciência própria, recusaram as reservas”, sublinha o presidente da Associação do Alojamento Local.

Mais de 5 mil noites reservadas para profissionais de saúde

Num outro plano, o responsável da associação atualiza, ainda, os números da plataforma criada para a cedência de espaços de alojamento local aos profissionais de saúde.

Nestas declarações à Renascença, Eduardo Miranda revela que há, neste momento, “350 profissionais de saúde hospedados em alojamentos locais”, mas que em breve “serão 500”.

Já são “mais de cinco mil noites reservadas para profissionais de saúde de forma gratuita”, sublinha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.