|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

​Empresas de Ovar exigem regresso à atividade. “Efeitos nos negócios são terríveis”

08 abr, 2020 - 13:27 • Ana Rodrigues

“Os negócios podem ser mais pequenos, mas também comemos”. Grupo de empresários de Ovar pede igualdade de oportunidades.

A+ / A-

Veja também:


Um grupo de 150 empresas do concelho de Ovar vai apresentar, nos próximos dias, um pedido ao Governo para reabertura de atividade. “Os efeitos nos negócios são terríveis”, alertam.

Como a união faz a força, os pequenos comerciantes juntaram-se para, em conjunto, pedir igualdade de oportunidades que o executivo, garantem, está a dar às grandes empresas.

O pedido ao Governo vai ser feito através do Gacema, um grupo de apoio aos comerciantes e empresários de Ovar que está, desde o início do estado de calamidade, a dar apoio aos empresários da região.

Henrique Araújo, responsável pelo Gacema, diz que a “cerca sanitária já vai na segunda quinzena. Os efeitos nos negócios são terríveis e não se sabe quando é que isto vai ter um fim”.

O que se pretende, garante, “é conseguir as mesmas oportunidades aos pequenos empresários que o Governo deu a outras empresas com o mesmo CAE [classificação de atividade económica]”.

A gota de água para muitos empresários de Ovar foi o despacho nº4148-A/2020 de 5 de abril, onde o executivo elenca as empresas e indústrias que podem voltar a funcionar.

O estado de calamidade e a cerca sanitária foram prolongados em Ovar, até 17 de abril. O Governo autorizou, até agora, três dezenas de empresas a laborar. Neste grupo a Bosch Secutiry Systems, Alcobre, Bi-Silque, Cordex, Kirchhoff Automotive Portugal, Polipop, Tecnocabel, Valmet e Yazaki Saltano Ovar, bem como a Elastictek, a Exporplás e mais 19 empresas. Mas há dezenas e dezenas de outros negócios que não estão nesta lista.

São empresas, refere Henrique Araújo que “conseguiram e bem convencer o Governo que tinham mesmo de trabalhar porque tinham paradas encomendas de milhares de euros”.

“Só que os outros empresários, mais pequenos também têm de comer, pagar contas e não podem continuar com os negócios parados mais tempo”, sublinha.

Foi o caso de António Silva, até há poucos dias. Este dono de uma empresa de embalagens conseguiu voltar a abrir portas, “a meio gás, com metade dos funcionários e poucas encomendas”.

Reconhece que é um “privilegiado, tendo em conta os outros empresários que não conseguem estar a funcionar”, mas “é uma injustiça muito grande” e teme não conseguir recuperar o negócio que tantos anos levou a construir.

Para este empresário, “a cerca sanitária foi um erro que os habitantes e empresários de Ovar estão a pagar muito caro”.

“Não foi inteligente fechar o concelho, porque o país vive todo o mesmo problema. O vírus está em todo o lado”, acrescenta.

Os empresários de Ovar fazem, por isso, um apelo urgente ao Governo, para que “permita, por amor de Deus, que todas as empresas possam começar a trabalhar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.