|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Balanço DGS. Coronavírus faz 246 mortes (mais 37) e há 9.886 infetados

03 abr, 2020 - 12:50 • Redação

País encontra-se em estado de emergência desde 19 de março, tendo o Parlamento aprovado o seu prolongamento até 17 de abril.

A+ / A-

Veja também:


O relatório diário da Direção-Geral de Saúde revela que o número de mortes subiu para 246 (mais 37 face a quinta-feira) e o de infetados para 9.886 (mais 852).

O relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24h00 de quinta-feira, indica que a região Norte é a que regista o maior número de mortes (131), seguida da região Centro (61), da região de Lisboa e Vale do Tejo (51) e do Algarve, em que hoje se mantém o mesmo número de mortos (3) e se registou a primeira morte no Alentejo.

O boletim revela ainda que 5.392 aguardam o resultado de exames laboratoriais e mais de 22.500 estão sob vigilância das autoridades.

Nesta altura há mais de mil pacientes internados, dos quais 245 estão nos cuidados intensivos.

No total já recuperaram da doença 68 pessoas.

O país encontra-se em estado de emergência desde 19 de março, tendo a Assembleia da República aprovado, na quinta-feira, o seu prolongamento até 17 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 53 mil. Dos casos de infeção, cerca de 200 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Segundo o boletim do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), desde o início da pandemia foram notificadas 284 mortes e 7.028 casos no continente africano. A pandemia afeta já 50 dos 55 países e territórios africanos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.