|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Notícia Renascença

​Cinco a sete mil julgamentos adiados por causa da Covid-19

01 abr, 2020 - 15:06 • Liliana Monteiro

Juízes falam numa bolha de processos parados e avançam com propostas de recuperação de pendências. Magistrados do Ministério Público dizem que ordens são para trabalhar em processo urgentes e num número muito alargado de não urgentes. Funcionários Judiciais queixam-se de ordens arbitrárias de comarca para comarca.

A+ / A-

Veja também:


Duas semanas depois do estado de emergência devido à pandemia de coronavírus, os tribunais mantêm-se de portas abertas para casos urgentes. No entanto, há uma bola de neve que se está a formar. “A ideia não é nada animadora. Há entre cinco a sete mil julgamentos e diligências adiadas. Fizeram-se centenas de outros, mas isto vai criar uma bolha de processos”, revela Manuel Ramos Soares, presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP), em declarações à Renascença.

A associação de juízes está, por isso, já a trabalhar numa proposta à crise provocada pela Covid-19. “Vamos propor um mecanismo especial de recuperação de pendências. Não faz sentido existirem férias judiciais de verão e estamos a estudar proposta para realocar recursos em processo mais urgentes numa fase inicial”, avança Manuel Ramos Soares.

Os juízes dividem-se nesta altura entre o trabalho em casa e as deslocações ao tribunal. “Cerca de mil juízes foram aos tribunais presencialmente nas últimas semanas fazer diligências. Houve centenas de atos realizados. É relevante dizer que na maioria as pessoas compareceram à chamada”, explica o presidente da ASJP, que garante tem havido medidas de proteção: “separação das pessoas, medidas de higienização, videoconferência e redução de pessoas presentes em tribunal.”

Em declarações à Renascença, Manuel Ramos Soares lamenta que “os funcionários não tenham acesso a sistema remoto, o que implica que estejam fisicamente em tribunal a dar andamento ao trabalho dos juízes e não só”.

Os tribunais abertos e a trabalhar em processo com presos, com menores, internamentos compulsivos, mandados de detenção europeus, etc...

“Não há máscaras, gel ou luvas. Magistrados estão por sua conta e risco”

Também os procuradores têm trabalhado à distância e fisicamente nos tribunais. António Ventinhas, presidente do SMMP, lamenta que “a preocupação com o andamento dos processos não é acompanhada da mesma preocupação relativamente às condições de proteção e segurança de quem desempenha funções nos tribunais”.

Em declarações à Renascença, acusa a Procuradora-Geral da República de preocupação meramente estatística relativamente ao trabalho do Ministério Público e processos despachados, sem acautelar medidas de proteção aos magistrados.

“Não há máscaras, gel ou luvas, não há sistemas de proteção para os funcionários que atendem cidadãos. Há muito por implementar”, denuncia, “as desinfeções de salas de audiência e instalações nunca existiram”.

Para não comprometer a realização de diligências urgentes, afirma António Ventinhas, “os magistrados estão a comprometer-se” e a trabalhar por sua “conta e risco”.

“Todos os processos urgentes são para tramitar, e se possível também outros devem ter andamento. Está a fazer-se mais do que se tramita em férias judiciais e foram essas as últimas ordens dadas pela PGR e Conselho Superior do Ministério Público”, sublinha.

Há muitos procuradores ainda nos tribunais. “Muitas diligências presenciais a serem realizadas: área da família e menores, violência doméstica, processos com arguidos presos. Muitos dos procuradores que estão em casa em teletrabalho estão mesmo assim a ir aos tribunais buscar processos”, sublinha o presidente do SMMP.

Esta semana, o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público vai fazer chegar à ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, uma reclamação sobre as condições de trabalho destes profissionais.

“Orientações pouco claras”. Até 30 pessoas a trabalhar presencialmente

Fernando Jorge, representante sindical dos Funcionários Judiciais, lamenta que as ordens de trabalho mudem muito de comarca para comarca conforme a interpretação legal.

“As orientações que foram sendo dadas foram pouco claras, houve situações em que iam trabalhar 20 a 30 pessoas. Na verdade, os tribunais têm de estar abertos, mas com o mínimo de pessoas para serviço urgente. O que se está a obrigar a fazer a muitos funcionários é que trabalhem em processos também não urgentes e isso é perfeitamente inaceitável”, afirma.

Fernando Jorge considera que “o legislador não foi claro na suspensão dos prazos. Equiparou este período a férias judiciais, mas não é o que acontece. Numa situação destas devem ser suspensos os prazos e os atos processuais não urgentes”.

Nesta altura há pelo menos dois funcionários judiciais e duas procuradoras do Ministério Público infetados com Covid-19.

Evolução do coronavírus em Portugal

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luís sequeira
    26 abr, 2020 Póvoa Santo Adrião 23:06
    Eu não posso trabalhar tive um acidente de trabalho estava no seguro e eles deram alta e meteram o processo em tribunal não tenho apoios não sei quanfo vou receber a idmizacao gostava saber se o tribunal de trabalho estão em funcionamento