|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. DGS admite imprecisões nos dados do boletim geográfico

25 mar, 2020 - 13:12

Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, diz que a estatística de casos confirmados por concelho depende do preenchimento do formulário do doente e garante que "não há qualquer objetivo em enganar, mentir ou omitir".

A+ / A-

Veja também:


A Direção-Geral da Saúde (DGS) confirma que há imprecisões na estatística da distribuição geográfica dos casos positivos de coronavírus, presente no boletim diário de propagação da doença.

"Nos óbitos não há erros. Mas os dados por concelho podem não vir preenchidos e só conseguimos recolher informação dos que estão preenchidos no campo do concelho. Estamos a afinar e a melhorar, a trabalhar a nível local para conseguir essa informação. Vamos cada vez mais pender para a realidade", começou por dizer a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, em conferência de imprensa.

Graça Freitas garante que não há qualquer intenção de omitir casos confirmados e óbitos e explica que o sistema não permitiria a situação.

"Não há qualquer objetivo em enganar, mentir ou omitir. Não há vantagem nenhuma de se mentir numa situação destas, e é impossível. O escrutínio que é feito retira sequer a veleidade de mentir. É preciso confiar. Se não coincide é porque ainda não chegou até nós", explica.

Sobre a desinfeção da via pública, prática já a ser realizada em alguns pontos do país, Graça Freitas explica que não há, para já, garantia científica que seja eficaz: "Não há nenhuma evidência que seja muito eficazes. Não é uma prioridade ter pessoas na rua a desinfetar".

500 ventiladores a caminho

António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, confirma que há 500 ventiladores a caminho, assim como 80 mil testes.

"Já falámos dos 80 mil testes, mas ainda não chegaram, devem chegar até ao fim da semana. O número de testes tem acompanhado o número de casos. A capacidade diária do SNS é de seis mil testes, complementados por mais 2,6 mil do privado. Há uma reserva de 24 mil testes. Temos uma encomenda feita de 500 ventiladores, que vai reforçar a capacidade de ventilação", explica.

O secretário de Estado adianta que a entrada de Portugal na fase de mitigação implica maior esforço individual e coletivo. "Entramos na fase mais crítica, que exige responsabilidade acrescida. Ao Estado cabe preparar o SNS. A cada um cabe a sua autoproteção e proteção dos outros que nos são mais queridos. Quase 80% dos óbitos em Portugal são pessoas com mais de 70 anos", termina.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.