Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

“Está na altura de a banca também dar alguma coisa à economia”, desafia Catarina Martins

23 mar, 2020 - 07:13 • Lusa

“Toda a economia portuguesa tem pago milhares de milhões à banca, está na altura de a banca também dar alguma coisa à economia”, defende a coordenadora do Bloco de Esquerda, em entrevista à RTP.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, considerou neste domingo que “está na altura de a banca também dar alguma coisa à economia”, agora com a pandemia da Covid-19. E defende a imposição de regras, tal como está a acontecer com outros setores.

Em entrevista à RTP, Catarina Martins considerou que, em termos de respostas no âmbito da economia, “a principal preocupação tem que ser proteger o emprego”.

“É preciso olhar para aqueles setores que têm um grande peso nos custos das empresas, das pequenas empresas e eles têm que ser chamados a contribuir: os custos de energia, as rendas e a banca”, defendeu.

Na perspetiva da líder bloquista, “o sistema financeiro não pode ficar simplesmente na posição do intermediário do crédito” durante a resposta a esta crise, pedindo “moratórias às hipotecas e suspensão das prestações bancárias que as empresas estão a pagar”.

“Toda a economia portuguesa tem pago milhares de milhões à banca, está na altura da banca também dar alguma coisa à economia”, reivindicou.

Garantindo que o BE tem “toda a solidariedade com o Governo” por saber que “este é um momento difícil”, para Catarina Martins é evidente que não se pode “estar a tentar negociar com a banca”.

“É preciso impor-lhes regras, como se impõe a outros setores da economia. Se nós não impusermos regras ao sistema financeiro, então a economia e as empresas não vão ter capacidade de manter o emprego”, justificou.

Catarina Martins enalteceu haver “empresas e empresários que estão a fazer o que podem e o que não podem para manter emprego”, mas lamentou haver “empresas que a primeira coisa que fizeram foi despedir todos os precários que puderam”.

“Quem pense que neste momento é mais fácil despedir, pense duas vezes. Se todas as empresas fizerem o mesmo, quando este surto passar e estivermos em crise económica nenhuma empresa vai conseguir pôr-se de pé outra vez, porque não há ninguém com salário para ser cliente”, advertiu.

A líder do BE deixou assim um apelo à “responsabilidade coletiva”, na qual as empresas também têm “uma responsabilidade solidária para com a economia”.

“Devem ser apoiadas e fortemente apoiadas, mas também devem tomar decisões que permitam a recuperação da economia”, pediu.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 324 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 14.396 morreram.

Em Portugal, há 14 mortes e 1.600 infeções confirmadas.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou na terça-feira o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    23 mar, 2020 Trofa 09:24
    Esta parece que não vive no mudo real, a banca ainda vai tirar mais e mais dinheiro aos Portugueses