|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

“Não tenhais medo”. Papa fala da sua dor em plena pandemia de coronavírus

20 mar, 2020 - 11:52 • Aura Miguel

“Aqui choramos e sofremos. Todos. Toda a humanidade está a sofrer e só podemos sair juntos desta situação com a humanidade unida”, disse o Papa Francisco numa entrevista telefónica ao “La Stampa”. É necessário "olhar para o outro com espírito de solidariedade”. “Estamos todos no mesmo barco”.

A+ / A-

O Francisco considera que estes tempos devem ser vividos “com penitência, compaixão e esperança. E com humildade, porque muitas vezes esquecemos que, na vida, existem as zonas escuras e os momentos sombrios”.

Francisco reconhece que um tempo “escuro para todos” e que “não exclui ninguém”, porque é “marcado pela dor e pelas sombras que entraram em casa” e porque “ninguém escapa ao desconforto destes dias difíceis”.

Em plena Quaresma, Francisco apela à oração, a partir do exemplo dos apóstolos que, no meio da tempestade, invocaram Jesus para não se afogarem: “A oração ajuda a entender nossa vulnerabilidade. É o grito dos pobres, daqueles que se estão a afundar, que se sentem em perigo e sozinhos”.

E neste caso da pandemia, diz o Papa, “não há distinções, somos todos humanos e estamos todos no mesmo barco”, por isso, “numa situação difícil e desesperada, é importante saber que existe o Senhor a quem recorrer”. Francisco garante que Deus “nos apoia de várias maneiras, tal como aconteceu com os discípulos que pediram ajuda na tempestade”.

Preocupado com a solidão dos que morrem sem o conforto das suas famílias, Francisco recordou um episódio recente, em que uma idosa ao perceber que se aproximava a morte, quis despedir-se dos familiares e a enfermeira telefonou para a neta, de modo a que a idosa pudesse ver o rosto dela antes de partir. “É a necessidade última de ter uma mão que segure na sua mão, um gesto de companhia final”, conclui o Papa, elogiando o papel incontornável dos enfermeiros, médicos e voluntários que “ouvem a dor da solidão”, tomam a sério “a ferida no coração” e se “inclinam com paciência e bondade sobre os doentes, para compensar a ausência obrigatória dos familiares".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.