|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Entrevista

Cardeal patriarca à Renascença. Igreja com disponibilidade total para ajudar

18 mar, 2020 - 14:46 • José Pedro Frazão José Pedro Frazão (entrevista), com Henrique Cunha (edição)

D. Manuel Clemente acredita que a sociedade vai sair mais solidária da crise que estamos a viver provocada pela pandemia de coronavírus.

A+ / A-
Cardeal patriarca à Renascença. Igreja com disponibilidade total para ajudar
Cardeal patriarca à Renascença. Igreja com disponibilidade total para ajudar

Veja também:


A Igreja Católica portuguesa reafirma disponibilidade total para colaborar com as autoridades no esforço de contenção da pandemia do coronavírus. Em entrevista à Renascença, o cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, garante que "a disponibilidade da Igreja é total" na colaboração com as autoridades de saúde do país.

D. Manuel Clemente garante que “aquilo que nos pedirem, como já têm pedido ou sugerido, nós fazemos, como aconteceu com esta privação de celebrações habituais e substituição por outras maneiras de estarmos presentes na vida das pessoas”.

“E aquilo mais que nos for pedido, cá estamos", refere o cardeal patriarca.

D. Manuel Clemente acredita que a sociedade vai sair mais solidária da crise que estamos a viver.

No seu diagnóstico, o cardeal patriarca diz que “nós estávamos numa situação de muito pouca vizinhança”, em que, “às vezes, no mesmo prédio as pessoas não se conheciam”, para sustentar que “ já que existe esta ocasião é para nós nos retomarmos como sociedade”, pois “sociedade quer dizer gente que se acompanha e não gente que se desconhece".

Francisco caminhou pelas ruas desertas de Roma e rezou pelo fim do coronavírus
Francisco caminhou pelas ruas desertas de Roma e rezou pelo fim do coronavírus

O cardeal patriarca aplaude a forma criativa como a generalidade dos agentes pastorais se têm adaptado e respondido a esta nova realidade.

D. Manuel Clemente refere que “tem sido muito importante, e bonita até e criativa, a atitude da generalidade daqueles que estão na vida pastoral católica, nas paróquias, nas dioceses, nos institutos religiosos e seculares, nas instituições sociais ligadas à Igreja”.

Para o cardeal patriarca, “tem sido muito interessante, porque têm sido muito criativos na maneira de responder positivamente à atual situação, não apenas omitindo aquilo que não se pode fazer porque corremos o risco de contagiar, mas porque temos que arranjar outras maneiras de estar perto das pessoas".

D. Manuel Clemente acredita que esta forma criativa da Igreja dizer presente irá perdurar no futuro. "Através da rádio, através da net, através da televisão vão-se conseguindo atuações que eu creio que ficarão para o futuro”, disse o cardeal patriarca, que manifesta a convicção de que, “quando voltarmos ao convício normal das nossas comunidades, certamente, incluiremos muita desta criatividade para estar constantemente próximo das pessoas".

No futuro próximo e em particular em relação à Semana Santa e à celebração da Páscoa; D. Manuel Clemente aponta o exemplo vindo de Roma para que se consiga conjugar a necessidade de a Igreja estar próxima e ao mesmo tempo não se colocar ninguém em perigo.

"Sabemos sobretudo o que não podemos fazer. O que não podemos fazer é tudo aquilo que põe em risco de contágio a população. Com toda esta criatividade que está a surgir e também com o próprio exemplo que temos tido de Roma, e do que é a atuação do Santo Padre que não deixa de estar presente na Igreja Universal através da televisão e através da internet. Portanto, tudo isso são exemplos daquilo que nós podemos e devemos fazer para, por um lado estarmos próximos e por outro lado não pormos em perigo ninguém", concluiu o cardeal patriarca de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.