|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus

Gilberto Madaíl admite que adiamento do Euro 2020 irá gerar "grande confusão" nos calendários

12 mar, 2020 - 12:45 • José Barata com Redação

O antigo presidente da Federação Portuguesa de Futebol não acredita na possibilidade da competição se realizar com jogos à porta fechada.

A+ / A-

Gilberto Madaíl admite a hipótese de o Euro 2020 poder ser adiado para o próximo ano em função do atual panorama do surto epidémico de coronavírus. Uma hipótese que, na opinião do antigo presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), a concretizar-se irá "gerar um grande confusão".

"Para as Federações nacionais, a adaptação dos calendários terá grandes implicações no desenvolvimento do futebol em cada área federativa", explica Gilberto Madaíl, em entrevista à Renascença, sem deixar de referir que espera que esta crise de saúde pública esteja debelada antes da chegada à altura de tomada de decisões mais drásticas.

O antigo dirigente da FPF considera que seria complicado gerir a organização de um Campeonato da Europa em 2021, uma vez que este iria acontecer "em cima do Mundial". Contudo, Madaíl realça também que o caráter inédito da situação torna difícil definir uma linha de atuação para as entidades responsáveis.

Mais cidades significa maior risco de propagação

Para Gilberto Madaíl, o atual formato da prova de seleções favorece a maior propagação do vírus, o que é condição suficiente para proibir a realização da competição.

"O Campeonato da Europa deste ano será feito em vários países, ou seja, a capacidade de controlo será muito menor do que a que seria se fosse num único país. Num único país, poderia ser mais fácil isolar ou limitar as coisas. Em vários países, isso implica várias viagens de adeptos e de equipas, o que torna tudo mais complicado", justifica.

Quanto às competições de clubes da UEFA, o antigo presidente da FPF garante que a entidade máxima do futebol europeu vai procurar "esticar os prazos ao máximo" e, enquanto não tomam decisões mais drásticas, procedem à realização de "jogos sem público", como já sucedeu para a Liga dos Campeões e como irá suceder para a Liga Europa.

Na opinião de Gilberto Madaíl, um Campeonato da Europa disputado à porta fechada "não faz sentido nenhum", visto que, dessa forma, perde "o seu conteúdo e a sua essência".

"O Campeonato da Europa é, normalmente, uma festa do público e dos adeptos. Ser em várias cidades e sem espetadores, seria uma grande desilusão", termina.

O antigo dirigente era o líder da Federação à data do Euro 2004. Madaíl foi membro do Comité Executivo da UEFA e presidente da FPF entre maio de 1996 e dezembro de 2011.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.