|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

África do Sul. Encontrado corpo de empresária luso-moçambicana raptada em Nelspruit

02 mar, 2020 - 11:40 • Lusa

O corpo de Guitabali Samji, 52 anos, foi descoberto a cerca de 140 quilómetros de Joanesburgo. Estava desaparecida desde 15 de outubro do ano passado.

A+ / A-

A polícia sul-africana encontrou o corpo de uma luso-moçambicana raptada nos arredores da cidade de Nelspruit, junto à fronteira com Moçambique. A confirmação foi feita pelo cônsul-geral de Portugal em Joanesburgo.

Francisco Xavier de Meireles disse que tinha sido informado no sábado de manhã que a polícia sul-africana tinha encontrado o corpo.

Segundo a informação avançada às autoridades consulares portuguesas, a polícia sul-africana encontrou o corpo da empresária Guitabali Samji, 52 anos, de nacionalidade portuguesa e moçambicana, na manhã de sábado, 29 fevereiro, às 7h30 (5h30 de Lisboa), junto a Witbank, a cerca de 140 quilómetros de Joanesburgo.

O corpo foi encontrado junto do local onde os alegados raptores combinaram entregar a pessoa, na sexta-feira, depois de terem alertado de véspera a polícia sul-africana dizendo que se encontrava "muito doente".

Na semana passada, os alegados raptores pediram mais um resgate, em montante não divulgado, referiu a mesma fonte, sem que o caso tenha chegado a um desfecho.

Desconhece-se de momento a identidade dos raptores.

A empresária, que estava inscrita no consulado português em Maputo, desapareceu em 15 de outubro do ano passado, em Nelspruit, província de Mpumalanga, nordeste da África do Sul, onde tinha negócios.

O cônsul-geral de Portugal em Joanesburgo disse que o Estado português, através do consulado-geral fez diligências junto da polícia de investigação de raptos da África do Sul na tentativa de obter informações e sensibilizar para a urgência da situação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.