RR
|
A+ / A-

"Cuidar com o coração nas mãos” é o lema das Filhas de São Camilo

08 fev, 2020 - 18:30 • Liliana Carona

Há 26 anos que o Centro Social Filhas de São Camilo presta apoio aos doentes, sobretudo, idosos com demência.

A+ / A-

Em Lamego, há 70 doentes (muito dependentes) que recebem cuidados diários de quatro irmãs da Congregação das Filhas de São Camilo “como se fosse o Nosso Senhor mesmo”.

Há 26 anos que o Centro Social Filhas de São Camilo presta apoio aos doentes, sobretudo idosos com demência, mas a nível mundial, estão presentes em 20 nações onde têm casas para doentes de sida, hospitais, lares de idosos/crianças, clínicas, dispensários, leprosários.

A comunidade religiosa de Lamego “Filhas de São Camilo” é formada por irmãs provenientes de várias nacionalidades - portuguesa, brasileira, filipina e colombiana, como é o caso da irmã Liliana, 44 anos, a madre superiora, que admite estar preocupada com a possibilidade da eutanásia poder vir a ser aprovada em Portugal.

“Temos 70 doentes aqui em Lamego, todos muito dependentes e exprimimos o nosso carisma, cuidar do nosso doente, como se fosse cuidar do Nosso Senhor, mesmo. As pessoas que são cristãs sabem verdadeiramente o que devem fazer. Não podemos estar de acordo com a eutanásia. Se Nosso Senhor nos deu a vida, Ele nos deve tirar. É uma questão muito pessoal, às vezes há doentes que já não têm qualidade de vida, mas quem é verdadeiramente cristão sabe que essa pessoa tem de ser bem cuidada”, diz a irmã Liliana.

Também a irmã Nina, de 36 anos, natural das Filipinas, que chegou a Lamego há um ano, não tem dúvidas de que cuidar é até ao fim. “Nós temos um carisma, damos o serviço como uma mãe a um único filho, ou seja cuidar até ao fim. Temos uma espiritualidade e portanto a eutanásia não é bem”, defende.

No Centro Social Filhas de São Camilo, uma IPSS, propriedade da Congregação das Filhas de S. Camilo gerida pelas irmãs, a maioria tem formação em enfermagem, mas há uma enfermeira externa, Nélia Jacob, 35 anos, que também ela defende o carisma da congregação.

“O mais fundamental é prestar cuidados de saúde com qualidade e dignidade, é importante que o doente esteja acompanhado dos entes queridos. Quando realmente o desfecho é breve, o melhor é estar acompanhado de quem gosta dele, dizemos: nós estamos aqui, esteja descansado, vamos estar aqui até ao fim, Damos-lhe um beijinho, não é só um comprimido, por vezes basta um beijo para que sintam realmente seguros e que alguém os ama."

Nélia sublinha que há um grande espetro de doentes muito dependentes e cada vez mais dependentes. "A demência é um problema cada vez mais frequente, mas, felizmente, temos uma equipa multidisciplinar com fisioterapeuta, médico, animadora, educadora social, as irmãs enfermeiras e eu que sou a única enfermeira externa”, conta.

Uma enfermeira externa, quatro irmãs da Congregação das Filhas de S. Camilo unidas em torno de um lema: cuidar os utentes com o coração nas mãos. Desde 2015, que a congregação possui também uma casa em Fátima, com três religiosas. A autoridade máxima da Congregação é a Madre Geral, residente em Roma.

[Notícia corrigida às13h36 de 10/2)

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.