|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

PSD

Fernando Negrão contra eutanásia, mas também contra referendo

09 fev, 2020 - 12:52 • Susana Madureira Martins , Cristina Nascimento

Deputado social-democrata considera que valor da vida é supremo e indiscutível.

A+ / A-

O deputado social-democrata e antigo ministro da Justiça Fernando Negrão reafirmou este domingo que é contra a legalização da eutanásia em Portugal, mas também rejeitou a convocação de um referendo sobre o assunto.

Em declarações aos jornalistas, durante o 38º congresso do PSD em Viana do Castelo, Negrão começou por recordar que, na última legislatura, votou contra os projetos provenientes da esquerda e do PAN a favor da eutanásia.

"Eu sou contra a eutanásia, ficou claro na última votação que tivemos há cerca de dois anos, no Parlamento. Acho que o valor da vida é um valor supremo e indiscutível e por isso não sou a favor do referendo", explicou.

Negrão considerou ainda que um referendo sobre o assunto "vem fazer uma discussão que não deve ser feita e vem politizar e partidarizar uma questão que não merece que isso aconteça".

Esta madrugada, por larga maioria, foi aprovada no congresso do PSD uma moção temática a favor de um referendo sobre eutanásia - um documento que teve como primeiro subscritor o ex-deputado e ativista de movimentos "pró-vida" António Pinheiro Torres.

"Vamos ver como correm as negociações entre partidos no parlamento para sabermos se é ou não aprovada a possibilidade de um referendo", acrescentou ainda Negrão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.