RR
|
A+ / A-

​CDS quer entendimento com PSD contra a eutanásia e nas autárquicas

09 fev, 2020 - 15:56 • Lusa

Recemente eleito presidente do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos classificou o PSD como "o seu parceiro tradicional".

A+ / A-

O presidente do CDS-PP considerou este domingo que "estão criadas condições" para uma plataforma de entendimento com o PSD, defendendo "uma aliança alargada" a pensar nas próximas autárquicas" para ganhar "o maior número de câmaras ao PS".

Francisco Rodrigues dos Santos, recentemente eleito líder do CDS-PP, esteve no encerramento do 38.º Congresso do PSD, em Viana do Castelo, e falou aos jornalistas já depois de ter cumprimentado o presidente reeleito social-democrata, Rui Rio, no palco do Centro Cultural de Viana do Castelo.

"Através do discurso de Rui Rio e até dos reptos que foram sendo lançados pelo CDS após o nosso último congresso, estão criadas condições para que seja criada esta plataforma de entendimento", defendeu.

Na perspetiva do presidente do CDS-PP, "é importante que haja uma aliança alargada a pensar já nas próximas eleições autárquicas de modo a que PSD e CDS consigam ganhar o maior número de câmaras a ao PS".

"E muito brevemente, portanto a curto prazo, convidamos o PSD a juntar-se ao CDS no combate pela vida, contra a eutanásia, para que o estado tenha um papel humanista, que não desista das pessoas e não olhe para a vida como um valor que pode ser descartado", desafiou.

Francisco Rodrigues dos Santos fez questão de sublinhar que, no discurso de encerramento, "as palavras de Rui Rio foram simpáticas" e "o CDS mereceu uma nota particular".

"O CDS, embora tenha reparado que o PSD esteja a adotar uma estratégia rigorosamente ao centro, eu não vejo que isso seja prejudicial para o CDS na medida em que o CDS e o PSD não são partidos substitutivos um do outro, mas sim complementares", apontou, reagindo já ao posicionamento ao centro reafirmado por Rui Rio no congresso após a reeleição.

Na perspetiva do líder do CDS-PP, certamente que os dois partidos se vão encontrar "para apresentar uma solução que Governo que possa estreitar pontes e construir soluções alargadas para reformar o nosso país".

"O CDS tem no PSD o seu parceiro tradicional. Queiramos em conjunto construir esta relação com base numa cooperação institucional, baseada num diálogo construtivo, estruturado, leal e de confiança recíproca", afirmou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.