Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Afinal, houve mesmo Taça

05 fev, 2020 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Já aconteceu muitas vezes, e, por certo, continuaremos a ter, pelo tempo fora, o cenário de ontem à noite em dois jogos da Taça de Portugal.

Na Luz, o Benfica foi capaz de vencer o Famalicão pela margem mínima, mas pode-se dizer desde já que foi bastante melhor o resultado que alcançou do que a sua exibição produzida.

Em Viseu, um empate justo a remeter também o FC Porto para o desafio da segunda mão. Só que, neste caso, os dragões dispõem da vantagem de jogar em casa, três dias depois de ali receberem o Benfica no jogo mais importante deste campeonato.

No rescaldo dos jogos desta terça-feira é oportuno analisar, antes de mais, o comportamento dos encarnados, que suscita dúvidas sobretudo no que toca à sua produção defensiva.

Para já convém recordar que em 18 jogos do Campeonato, os comandados de Bruno Lage haviam sofrido apenas seis golos no estádio da Luz. Agora, em apenas dois embates, a defesa da Luz foi “furada” por quatro vezes, dois golos contra o Belenenses, ontem mais dois perante o Famalicão.

Será que o sector mais recuado do Benfica está a perder consistência e a trazer preocupações para o clássico do próximo sábado? Sendo possível admitir essa probabilidade, só daqui por quatro dias ficarão dissipadas todas as dúvidas.

E a seguir, a deslocação a Famalicão também não deixa de suscitar preocupação, face à possibilidade de as águias verem interrompido o seu voo em direção ao Jamor.

Na capital da Beira Alta os portistas julgaram oportuno atuar com uma equipa de segunda escolha. E ressentiram-se disso, pois em função da resistência visiense não conseguiram ir além de um empate, que no entanto pode ser perfeitamente rebatido na próxima terça-feira.

Portanto, houve Taça e da boa, numa jornada que deixou excelentes aperitivos para os encontros da segunda mão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.