|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Aeroporto de Lisboa sem controlo de passageiros ou avisos sobre surto

27 jan, 2020 - 10:43 • Carla Fino , Daniela Espírito Santo

Passageiros estão atentos e tomam precauções, apesar de não haver qualquer tipo de aviso sobre cuidados a ter em caso de suspeita do coronavírus.

A+ / A-

Na zona de chegadas do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, é possível distinguir os passageiros provenientes da China dos restantes. A maioria usa máscara de proteção, um adereço agora mais que prioritário para quem viaja.

De acordo com os testemunhos feitos à Renascença, à chegada a Portugal, não houve qualquer tipo de controlo de temperatura, nem há avisos sobre os cuidados a ter em caso de suspeita do coronavírus.

Um dos passageiros, vindo de Hong Kong, mostrou-se surpreendido com esse facto.

"Todos os dias verificavam-nos a temperatura do corpo. Aqui não. Em Hong Kong, as pessoas estão a usar máscaras. No aeroporto, quando viajei para cá, toda a gente estava a usar máscaras, também no avião", assegurou.

A maioria dos passageiros está atenta e preocupada, apesar de haver quem acredite que a China vai resolver a situação rapidamente.

"Eu acredito que o meu país consiga controlar a situação. São poucas as pessoas que contraíram o vírus e a China é enorme e tem milhões de pessoas. Acho que vai correr tudo bem, não estou preocupado", confessou outro dos viajantes.

Pelo menos 80 pessoas já morreram na sequência deste surto. Há 2.761 casos confirmados de pessoas infetadas com coronavírus na China e 37 noutros países. Os especialistas de saúde também já garantiram que o vírus é transmitido entre pessoas e poderá apresentar mutações.

Portugal já acionou os dispositivos de saúde pública devido ao coronavírus proveniente da China e tem em alerta o Hospital de São João, no Porto, o Curry Cabral e Estefânia, em Lisboa. A DGS, por precaução, está "com mais atenção" aos casos exportados fora da China.

Recomendações:

- Evite o contacto próximo com pessoas que sofram de infeções respiratórias agudas.

- Lave frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes.

- Evite o contacto com animais.

- Adote "medidas de etiqueta respiratória", como tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir e lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir.

Se quem viajar para aquela região da China apresentar sintomas sugestivos de doença respiratória, durante ou após a viagem, deve procurar atendimento médico e informar o médico sobre a história da viagem. Poderá ainda ligar para o número de telefone 808 24 24 24 (SNS24).

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.