RR
|
A+ / A-

Baixas para assistência a filho vão ser pagas a 100%

21 jan, 2020 - 08:00 • Redação

Governo promete gastar mais de 1.500 milhões de euros este ano, em medidas concretas, para que os jovens comecem a ter filhos mais cedo.

A+ / A-

O Governo avança com novos incentivos à natalidade. A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social revela que o Governo tem 1,524 milhões de euros destinados a apoiar a natalidade.

As baixas médicas para assistência aos filhos vão passar a ser pagas a 100%. Até agora eram pagas a 65% pela Segurança Social.

O Governo avança também com a atribuição de um subsídio para a creche. A partir do último trimestre deste ano, que todas as famílias com um segundo ou mais filhos até aos três anos de idade vão ter direito a um cheque para ajudar com as despesas da creche. O montante ainda não está definido, mas a ministra do Trabalho garante que todas as famílias terão direito a esta “subsídio” independentemente dos rendimentos.

Também está previsto o alargamento da licença obrigatória para 20 dias úteis por parte do pai a seguir ao nascimento.

As medidas são avançadas pela ministra Ana Mendes Godinho ao jornal “Público”.

“Em 2015, para as mesmas medidas, tínhamos mil milhões de euros. São mais 500 mil milhões de euros para os instrumentos de apoio à natalidade, concretamente para as licenças de parentalidade e para o abono de família, com a concretização plena do quarto escalão e o alargamento da abrangência das crianças dos 12 para os 36 meses. Isto reflete um impacto financeiro de 37 milhões de euros a mais, ou seja, de acréscimo”, contabilizou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.