|
A+ / A-

Tecnologia

​"O telemóvel é como se fosse o nosso guarda-costas"

08 jan, 2020 - 17:08 • Manuela Pires

O segundo dia do Winter School, na Universidade Católica Portuguesa (UCP), em Lisboa, arrancou com uma conferência sobre como é que os telemóveis mudam a nossa vida e reconfiguram o espaço público. Investigadora Carla Ganito destaca a dependência cada vez maior dos dispositivos móveis e alerta para o fenómeno de "tecnostress".

A+ / A-

Como é que os telemóveis mudaram a nossa vida? Usamos as tecnologias para antecipar a experiência do futuro? Estas foram as perguntas lançadas por Carla Ganito, professora da Universidade Católica Portuguesa na conferência que abriu o segundo dia do Winter School for Study for Communication.

A investigadora começou por dizer que, hoje, o telemóvel é quase uma extensão do nosso corpo, que nos dá segurança.

“É como se fosse o nosso guarda-costas, uma espécie de repositório de uma rede de conforto e apoio porque pode acontecer-nos qualquer coisa ou alguém pode precisar de falar connosco.”

“E há mais. O telemóvel permite também gerir a ansiedade porque temos tendência para usar esta tecnologia de forma a antecipar a experiência do futuro, porque o pior inimigo dos nossos dias é a incerteza”, afirma a catedrática.

Por exemplo, quando saímos de casa para fazer o percurso para o trabalho ou para a escola, “nós vamos às aplicações que temos no telemóvel para ver como está o trânsito, nós sabemos o caminho e sabemos que vamos apanhar trânsito, mas preferimos antecipar essa situação, porque a nossa ansiedade diminui”, conclui Carla Ganito.

Outra ideia deixada nesta palestra pela professora da UCP está relacionada com a reconfiguração do espaço público, “porque podemos dizer que estamos num sítio e isso não é verdade”.

Outra questão é a ilusão de que estamos sempre a fazer qualquer coisa, estamos sempre a produzir. “Alguns autores falam já nesse ponto, a aceleração do tempo tem produzido uma saturação, o tecnostress”, sublinha.

Ora se o telemóvel é uma tecnologia de pré-mediação, que nos permite antecipar a experiência do futuro, isso também acontece com os políticos.

Carla Ganito explica que “as pessoas não gostam de ser surpreendidas, querem ter o controlo da situação”. E por isso, conclui a professora da UCP, os políticos usam as redes sociais para preparar o terreno para um anúncio de uma medida importante porque as pessoas querem estar preparadas para essa novidade.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.