Tempo
|
A+ / A-

Igreja palestiniana pede oração dos portugueses neste Natal

18 dez, 2019 - 12:40 • José Pedro Frazão

Em entrevista à Renascença, o padre responsável pela paróquia de Ramallah sublinha o peso social da minoria cristã na Palestina enquanto prepara o Natal nos territórios ocupados.

A+ / A-

A Igreja de Ramallah, capital da Autoridade Palestinana, apela à oração dos portugueses para que a paz e a justiça cheguem à terra onde Jesus nasceu. Numa mensagem dirigida aos católicos portugueses através da Renascença, o Padre Jamal Khader pede que os “irmãos e irmãs” palestinianos estejam no pensamento dos crentes em Portugal.

“Irmãos e irmãs católicos em Portugal. Têm irmãos e irmãs a viver aqui. Somos o mesmo corpo de Cristo e por isso somos uma só Igreja. Cristo nasceu em Belém, na Palestina, há mais de 2000 anos. Daqui a Boa Nova se espalhou por todo o mundo. Continuamos a espalhar a Boa Nova com o nascimento de Cristo. Pedimos aos nossos irmãos e irmãs em Portugal que rezem por nós, que se lembrem de nós no Natal. Têm irmãos e irmãos que sofrem e que precisam de justiça e paz na terra onde Jesus nasceu, morreu e ressuscitou dos mortos. Feliz Natal para todos. Rezemos por todos nós”, apela o sacerdote responsável pela Igreja da Sagrada Família em Ramallah, cidade-sede da Autoridade Palestiniana.

O número de cristãos palestinianos vem decaindo fruto da ocupação dos territórios e de um êxodo relacionado com as guerras e a falta de condições económicas. O Padre Jamal sublinha a importância social da minoria cristã que estima em 60 mil a 70 mil crentes.

“Se virmos o trabalho da Igreja, o número de instituições que temos, o número de escolas, hospitais, universidades, etc, a nossa presença é muito mais sentida do que a nossa percentagem na população. É por isso que a nossa presença é importante e continua a ser importante para todo o país”, afirma o clérigo palestiniano que tem a seu cargo a Escola do Patriarcado Latino que remonta a 1858.

Manter viva a esperança

O trabalho junto dos jovens é decisivo, mas também junto dos mais necessitados, anota o pároco de Ramallah.

“Estamos a contribuir o máximo que podemos, mantendo viva a esperança para as pessoas, dando-lhes, quando é possível, trabalho, às vezes habitação, ajuda urgente financeira e também através da educação. Tentamos capacitar os jovens para estarem ao serviço de toda a sociedade e a construir um futuro melhor neste país´”, explica o Padre Jamal , lembrando que a Igreja é a terceira maior empregadora na Palestina, depois da Autoridade liderada por Mahmoud Abbas e da UNRWA, agência das Nações Unidas responsável pela assistência aos refugiados da Palestina no Médio Oriente.

A Igreja palestiniana detém uma escola em cada paróquia católica palestinana. Em Ramallah contabilizam-se sete escolas cristãs, incluindo três escolas católicas, número semelhante aos estabelecimentos de ensino que se contabilizam por exemplo em Gaza.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando Manuel Soares Loja
    19 dez, 2019 23:30
    LI com interesse o artigo sobre o pedido feito aos Católicos Portugueses para que se lembrem dos Católicos a viver em Ramallah. Mas fiquei confuso sobre o significado do título do artigo. "Territórios ocupados"? Ramallah é território ocupado? Desde que o Império Otomano ocupou a cidade os cristãos sempre ali viveram em maioria. Era território ocupado, sem dúvida, pelos muçulmanos turcos que foram expulsos quando perderam a I Guerra Mundial. Depois, com a guerra movida pelos Jordanos contra Israel por ocasião da independência de Israel, Ramallah foi ocupada pelos jordanos e até hoje, desde que os jordanos a ocuparam que a cidade. Será por isto que o articulista fala em território ocupados"

Destaques V+