|
A+ / A-

“O Pai Américo está aí como espinho na nossa própria consciência”

12 dez, 2019 - 14:56 • Henrique Cunha

D. Manuel Linda sublinha a importância da colaboração entre a Igreja e a sociedade, que a todos beneficia.

A+ / A-

O bispo do Porto afirmou esta quinta-feira que a declaração das virtudes heroicas do padre Américo é uma “boa notícia” para a diocese e até para "a Igreja Católica em Portugal" e um é ao mesmo tempo “um espinho na nossa própria consciência" a lembrar que “mudaram as condições mas não desapareceram as carências”.

Na homilia da Missa de aniversário da dedicação e restauro da Igreja dos Clérigos; D. Manuel Linda lembrou que "não desapareceu a necessidade da Igreja e do Estado estarem presentes junto das fragilidades" do nosso tempo. Fragilidades, que de acordo com o bispo "têm muitos nomes". "São fragilidades de sem-abrigo", que, diz D. Manuel "é um mundo muito difícil porque se perdeu o interesse pela vida e não se consegue investir na melhoria das condições dessas pessoas".

O bispo encontra também fragilidades "no mundo da toxicodependência e na solidão".

D. Manuel Linda defende uma “boa colaboração entre Igreja e a sociedade” para que, o estímulo e exemplo do “Pai Américo” ajude numa atitude que se quer que seja de proximidade em relação a quem “está a vegetar na beira da estrada”, e considera que o restauro dos Clérigos "é um bom exemplo da cooperação entre Igreja e Sociedade", que nos lembra "que todos beneficiam quando essa colaboração é boa".

O bispo relembra que as obras nos Clérigos "foram feitas em grande parte com dinheiros comunitários e outros contributos da sociedade"; mas assegura também que a Irmandade "está hoje a devolver à sociedade tudo aquilo que ela investiu no restauro do espaço". D. Manuel afirma que "este espaço é uma das referências da cidade do Porto, senão mesmo a maior" que "a nível cultural, a nível do turismo atrai muita gente à cidade".

Por outro lado, diz o bispo, "é bom que se saiba que a estrutura dos Clérigos está a ajudar muitas instituições". O Prelado lembrou que "está a ajudar a formação continua de muitas pessoas, e está a ajudar mesmo organismos do Estado", dando o exemplo que de "hoje mesmo foram entregues duas carrinhas a uma instituição hospitalar publica", no caso o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa.

Por isso, o bispo critica "aquelas poucas pessoas que não querem nada no diálogo entre a Igreja e a Sociedade". Para D. Manuel Linda "a sua pequenez apouca o desenvolvimento da sociedade", pois quando "há boa relação todos lucram". Na opinião do bispo "coibir, oprimir esta possibilidade de colaboração é apoucar o próprio desenvolvimento da sociedade".

D. Manuel Linda sublinha a ideia de que a Igreja "não quer ser dominante", mas "reivindica a sua liberdade para que a colaboração seja boa, justa e pacifica", pois só assim se consegue trabalhar "um desenvolvimento integral".

No final da Eucaristia, o bispo do Porto saudou o Presidente da Irmandade dos Clérigos, D. Américo Aguiar, que por feliz coincidência celebrou esta quinta-feira o seu aniversário natalício.

O Bispo auxiliar de Lisboa agradeceu a todos a presença, lembrando que este dia é ainda mais especial "em particular pela declaração do Padre Américo como venerável". D. Américo pediu também a oração de todos "pela rápida, urgente e necessária beatificação do nosso querido Padre Américo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.