Tempo
|

Fotogaleria. Mais de 100 fogos na Austrália cobrem país com manto de fumo

10 dez, 2019 - 11:59 • Fotografias: Joel Carrett/EPA

Já arderam, pelo menos, um milhão de hectares, mais do que dez vezes a área total de Portugal.

A+ / A-

Uma enorme nuvem de fumo, gerada pelos 100 fogos florestais ativos na Austrália, cobriu Sydney. Há duas semanas que os mais de cinco milhões de habitantes de uma das maiores cidades australianas, famosa pelos céus cristalinos, acordam por baixo de um céu laranja, coberto de fumo.

A intensidade do fumo, provocada por uma frente de fogo com 60 quilómetros, numa zona de vegetação seca a norte de Sydney, já fez disparar vários alarmes de incêndio em casas e empresas, e obrigou ao cancelamento dos transportes marítimos na cidade.

As leituras da qualidade do ar estão onze vezes mais nocivas do que o limiar considerado perigoso para a saúde humana.

Os fogos são frequentes durante o verão na Austrália, contudo os incêndios surgiram mais cedo este ano, ainda durante a primavera, e com maior intensidade do que é habitual. Os especialistas dizem que as alterações climáticas deixaram a vegetação extremamente seca.

Apesar de não haverem ordem de evacuação, vários habitantes em zonas de mato decidiram deixar as residências.

Pelo menos quatro pessoas já morreram desde o início de novembro. Cerca de um milhão de hectares já arderam e mais de 650 casas ficaram destruídas.

Esta terça-feira, vários eventos ao ar livre foram cancelados, incluindo uma corrida de iates no porto de Sydney.

Esta semana, o presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país já provocaram a morte a mais de 2.000 koalas. Com estatuto de espécie "Vulnerável", cerca de 25% dos koalas dos 8.400 koalas morreram este ano devido aos incêndios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+