Tempo
|
A+ / A-

“A bola está do lado do Governo”. PCP confirma negociações para o orçamento do Estado

06 dez, 2019 - 20:05 • Susana Madureira Martins , João Pedro Barros

Comunistas aguardam resposta do Governo socialista, que pode surgir antes da apresentação do documento, a 16 de dezembro, ou no próprio orçamento.

A+ / A-

O líder parlamentar do PCP confirma que se mantêm negociações para a eventual aprovação do orçamento do Estado para 2020, cuja proposta deve ser entregue pelo Governo a 16 de dezembro, na Assembleia da República. João Oliveira admitiu-o na tarde desta sexta-feira, no final das jornadas parlamentares que decorreram em Évora, e explicou que o partido aguarda resposta às condições apresentadas.

“Tem havido alguma discussão. Naturalmente não poderíamos identificar um conjunto de matérias que queremos ver inscritas no orçamento se não falássemos com o Governo. Vamos ver qual a resposta que lhes dão e se ela chega antes ou na altura da apresentação da proposta na Assembleia da República”, afirmou João Oliveira.

O comunista explica que as linhas vermelhas traçadas são claras e que não há nada na manga, nem as jornadas de Évora trouxeram nada de novo.

“A bola está do lado do Governo. Nenhuma das questões que trouxemos nas conclusões das jornadas parlamentares se acrescentam ao conjunto de matérias que já identificámos. É preciso que o Governo lhe dê respostas e essa resposta terá uma primeira fase de comprovação, que será a da apresentação da proposta de orçamento de Estado”, reforçou.

João Oliveira salientou por várias vezes que as jornadas não foram dedicadas ao orçamento do Estado, mas reconheceu que o tema é incontornável, tendo em conta até que o secretário-geral Jerónimo de Sousa associou os trabalhos à véspera da entrega do documento do Governo no Parlamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.