|
A+ / A-

Mário Lino garante que não foi instrumentalizado por José Sócrates

02 dez, 2019 - 19:22 • Ricardo Vieira

O antigo ministro das Obras Públicas foi ouvido como testemunha de José Sócrates na fase de instrução da Operação Marquês.

A+ / A-

"Está tudo esclarecido", afirmou esta segunda-feira Mário Lino à saída do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa. O antigo ministro das Obras Públicas foi ouvido como testemunha de José Sócrates na fase de instrução da Operação Marquês.

Durante cerca de três horas e meia, Mário Lino foi questionado sobre vários temas, como se foi pressionado pelo antigo primeiro-ministro no projeto de uma linha de comboio TGV para favorecer grupo Lena ou sobre o negócio de construção de casas na Venezuela.

"Está tudo esclarecido, tudo esclarecido", disse o antigo ministro das Obras Públicas aos jornalistas, à saída do tribunal, onde foi ouvido pelo juiz Ivo Rosa.

Questionado se foi instrumentalizado por José Sócrates, Mário Lino garantiu que não. "Não sei se vocês são instrumentalizados. Eu não sou", declarou.

Mário Lino não quis comentar se acha que José Sócrates vai ou não ser absolvido.

"Não tenho esses sentimentos. O que eu acho é que a justiça deve-se fazer. E dei a minha contribuição respondendo com verdade às perguntas que me fizeram", frisou o antigo ministro das Obras Públicas.

Mário Lino foi ministro das Obras Públicas do Governo de José Sócrates entre 2005 e 2009, tendo sido substituído no cargo, até 2011, por António Mendonça. Ambos chegaram a ser investigados pela Polícia Judiciária no âmbito do processo das parcerias público-privadas (PPP).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.