Tempo
|
A+ / A-

Mortalidade infantil e número de nados-mortos sobem em Portugal

27 nov, 2019 - 21:11 • Sérgio Costa , com redação

Bastonário da Ordem dos Médicos aponta várias causas que podem estar a contribuir para estes números: mais bebés prematuros, grávidas mais velhas e falta de meios humanos na área da obstetrícia-ginecologia.

A+ / A-

O número de nados-mortos e a mortalidade infantil aumentaram em Portugal, indicam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos a 2018.

No ano passado, o número óbitos perinatais foi de 370, uma subida em relação aos 283 de 2017 e quase mais uma centena do que se verificou em 2013.

Óbitos perinatais são os fetos mortos com 28 ou mais semanas e óbitos de nados-vivos com menos de sete dias.

A taxa de mortalidade infantil em 2018 foi de 4,2 casos em cada mil nascimentos, uma subida em relação aos 3,3 de 2017.

O que pode estar na origem deste cenário? Em declarações à Renascença, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, olha para estes números com “alguma preocupação”, mas sublinha que Portugal continua a ter, “apesar de tudo, bons indicadores na área materno-infantil”.

Miguel Guimarães aponta várias causas que podem estar a contribuir para estes números: “os bebés prematuros têm aumentado bastante e a idade das grávidas também”.

“Outra situação que me preocupa, e que pode também ter algum impacto nesta situação, é a questão das dificuldades que existem neste momento no Serviço Nacional de Saúde: falta de equipas-tipo na área da obstetrícia-ginecologia, na área dos blocos de partos, também problemas com os enfermeiros e na constituição das equipas”, alerta.

O bastonário sublinha que existem “deficiências ao nível de capital humano nos serviços de saúde que têm tido uma repercussão significativa na área da obstetrícia-ginecologia” e o Governo sabe.

“Eu acho que a ministra da Saúde está preocupada com estas situações, mas falta dar o passo seguinte para começar a resolver estas situações, o que significa investir mais no serviço público de saúde”, afirma Miguel Guimarães.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    28 nov, 2019 évora 13:14
    Portugal volta a estar na Idade Média , um porta aviões Americano está mais bem equipado que todos os hospitais Portugueses juntos e vejam como formam hoje os médicos em relação aos outros que se reformam agora . Enquanto que lá fora nascem e vivem aqui nascem para morrer ou serem assassinados . Portanto , aprovar a eutanásia se pior já acontece e sem consentimento algum .

Destaques V+